Empresa de segurança cibernética, Darktrace dispara em estreia na Bolsa de Londres

Toby Melville/Reuters
Toby Melville/Reuters

A tecnologia da Darktrace é usada por mais de 4.700 empresas e organizações, incluindo serviços de inteligência.

A Darktrace, empresa de segurança cibernética assessorada por ex-espiões do MI5 e CIA, saltou mais de 40% em sua estreia no mercado hoje (30), entregando um estímulo aos negócios de Londres após o grande fracasso da Deliveroo no mês passado.

A empresa foi precificada no IPO em pouco mais da metade do objetivo original de US$ 4 bilhões. Mas ela disparou quando as negociações começaram.

LEIA TAMBÉM: Lucro da Exxon supera previsões com alta do petróleo e força de produtos químicos

A Darktrace usa inteligência artificial para entender as redes de TI e, em seguida, detectar ataques identificando um comportamento incomum internamente. Seu conselho consultivo inclui um ex-diretor geral do serviço de segurança britânico, Jonathan Evans; um ex-diretor de informações da CIA, Alan Wade; e o ex-ministro do Interior do Reino Unido, Amber Rudd.

“Hoje é apenas o começo”, disse a presidente-executiva, Poppy Gustafsson.

A empresa, que afirma estar atualmente focada no crescimento e não nos lucros, foi fundada na cidade universitária inglesa de Cambridge, em 2013, apoiada pelo empresário Michael Lynch, que estava no conselho até 2018 e ainda é um consultor. Ele e sua esposa possuem participações no valor de £ 440 milhões após a estreia das ações.

Lynch luta contra um pedido de extradição dos EUA para enfrentar acusações de fraude ligadas à venda da Autonomy, uma empresa de software que ele fundou e liderou, para a americana Hewlett-Packard. Ele também aguarda o veredicto de uma ação civil multibilionária da HP no Supremo Tribunal de Londres.

A Darktrace detalhou os riscos relacionados a Lynch em seus documentos de registro, incluindo responsabilidade potencial em relação a alegações de lavagem de dinheiro feitas por promotores dos EUA, embora a empresa tenha dito que o risco deste último era baixo. Lynch nega todas as acusações nos casos.

VEJA MAIS: Ibovespa recua com pressão negativa em NY e dados sobre desemprego no Brasil

Gustafsson, presidente da Darktrace e que antes trabalhou na Autonomy, disse que a opinião do investidor não foi afetada pela associação com Lynch.

“Em última análise, embora Mike seja um tecnólogo visionário e um dos primeiros investidores no Darktrace, ele não está envolvido na gestão diária do negócio”, disse ela à Reuters.

Mas a conexão de Lynch foi suficiente para dissuadir os principais bancos dos EUA de se candidatarem a papéis no IPO, fontes disseram à Reuters. O UBS foi originalmente nomeado coordenador global, mas depois deixou o cargo devido às preocupações de conformidade relacionadas à história da Autonomy, outra fonte disse à Reuters.

A tecnologia da Darktrace é usada por mais de 4.700 empresas e organizações, incluindo serviços de inteligência. A empresa de tecnologia, cuja receita passou de US$ 79,4 milhões para US$ 199,1 milhões entre 2018 e 2020, ainda não deu lucro. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).