Forbes Radar: Cogna, Hospitar Care Caledonia, BB e outros destaques corporativos

O Forbes Radar de hoje (1º) apresenta os resultados trimestrais das companhias. A Cogna registrou prejuízo líquido consolidado de R$ 4 milhões no quarto trimestre de 2020, a M. Dias Branco teve lucro líquido no último trimestre do ano passado de R$ 209 milhões e a Enauta apontou lucro líquido de R$ 38 milhões entre outubro e dezembro.

O Corem (comitê de pessoas, remuneração e elegibilidade) do Banco do Brasil aprovou Fausto de Andrade Ribeiro como presidente da instituição financeira.

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

Cogna (COGN3)

A Cogna reportou prejuízo líquido consolidado de R$ 4 bilhões no quarto trimestre de 2020, um salto em relação à perda de R$ 168 milhões um ano antes. A companhia justificou que o resultado é devido ao impairment (reconhecimento de perdas no valor recuperável de ativos) no valor de R$ 3,3 bilhões, além de um aumento de provisões e forte piora no desempenho operacional.

O resultado operacional medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) recorrente ficou negativo em R$ 100,5 milhões, revertendo desempenho positivo de R$ 504 milhões um ano antes.

A PCLD (provisões para créditos de liquidação duvidosa) saltaram 105,4%, para R$ 703 milhões, enquanto as despesas operacionais subiram 72,1%, a R$ 331 milhões. A receita líquida, por sua vez, caiu 14,9%, a R$ 1,6 bilhão.

O resultado financeiro ficou negativo em R$ 203,7 milhões, queda de 45,2% na comparação ano a ano

M. Dias Branco (MDIA3)

A M. Dias Branco registrou lucro líquido de R$ 209 milhões no quarto trimestre de 2020, uma queda de 21,1% em relação ao mesmo período do ano anterior, pressionada por maiores custos com trigo e câmbio, e recuo da demanda interna.

Na mesma linha, o Ebitda atingiu R$ 192,2 milhões no trimestre, redução de 33,5% ante igual período de 2019.

A receita líquida ficou praticamente estável, com variação positiva de 0,4% no ano a ano, para R$ 1,7 bilhão, afetada por uma diminuição no poder de compra das famílias.

Enauta (ENAT3)

O lucro líquido da companhia caiu 68,7% na comparação trimestral; em 2020 a Enauta registrou R$ 38,2 milhões versus o mesmo período de 2019 que era de R$ 121,8 milhões. O lucro líquido anual saiu de R$ 184 milhões para R$ 124 milhões, representando uma baixa de 32,6%.

De acordo com a companhia, o lucro líquido apresentou uma queda entre os meses de outubro e dezembro, em virtude do reflexo cambial nos contratos de arrendamento em moeda estrangeira.

O Ebitda ficou em R$ 129,5 milhões no último trimestre do ano passado, uma queda de 50,1% contra os R$ 259,5 milhões do mesmo período de 2019.

Hospital Care Caledonia (HCAR3)

O IPO, Oferta Pública Inicial, do grupo de saúde Hospital Care Caledonia pode movimentar cerca de R$ 1,1 bilhão, segundo informações do prospecto preliminar da operação, disponibilizado naCVM (Comissão de Valores Mobiliários).

O montante reflete a expectativa de venda integral do lote base de quase 42 milhões de ações, vendidas a R$ 25,50, no centro da faixa estimada pelos coordenadores, que vai de R$ 22,50 a R$ 28,50. O IPO pode levantar o montante de R$ 790 milhões.

A oferta ainda pode ser acrescida de lotes adicionais correspondentes a 35% do lote base, dependendo da demanda. O cronograma prevê fixação do preço por ação em 20 de abril, com as ações estreando na Bolsa dia 23 de abril.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Banco do Brasil (BBAS3)

O Corem (comitê de pessoas, remuneração e elegibilidade) do Banco do Brasil aprovou Fausto de Andrade Ribeiro como presidente da instituição financeira. De acordo com a ata do banco, a aprovação ocorreu devido aos documentos apresentados, as análises prévias do Ministério da Economia, os documentos de comprovação técnica e a manifestação jurídica anexada ao processo.

Petrobras (PETR4)

A Petrobras anunciou a recompra de títulos globais, por meio da sua subsidiária integral Petrobras Global Finance. A oferta está limitada ao montante total de US$ 3,5 bilhões.

Adicionalmente, os detentores de títulos que entregarem seus títulos também receberão juros capitalizados até a data de liquidação. Os valores a serem pagos aos investidores que entregarem seus títulos em cada uma das séries serão os preços equivalentes ao yield definida com base na taxa do tesouro norte-americano às 11:00h, de Nova York, no dia 7 de abril.

Camil (CAML3)

A Camil alimentos informou a aprovação de um novo programa de recompras de ações, em que poderão ser adquiridos 4 milhões de novos ativos, com um prazo de 12 meses, contando a partir de hoje (1º).

Grupo NotreDame Intermédica (GNDI3)

O Grupo NotreDame Intermédica comunicou as aprovações da ANS (Agência Nacional Suplementar) e do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) para a aquisição da Bio Saúde Serviços Médicos, que “foi devidamente concluída na data de ontem (31)”. A aquisição foi realizada no valor de R$ 79 milhões.

Cielo (CIEL3)

A Cielo concluiu a transação de todos os direitos relativos à plataforma de processamento e ao autorizador de transações desenvolvidas pela companhia à Elo Serviços. O valor total da transação foi de R$ 380 milhões e o pagamento integral desse valor será realizado à vista.

Vale (VALE3)

A Vale informou que 75 estruturas de suas unidades operacionais de minerais ferrosos e metais básicos no Brasil contam agora com as DCEs (Declarações de Condição de Estabilidade) positivas, um acréscimo de três unidades em relação a fevereiro.

A companhia tem 104 estruturas contabilizadas no sistema integrado de gestão de seguranças de barragens de mineração da ANM (Agência Nacional de Mineração).

Passaram a contar com DCEs positivas: Capim Branco, na mina Jangada, em Brumadinho(MG); Menezes II, na mina Córrego do Feijão, também em Brumadinho; e Taquaras, na mina Mar Azul, em Nova Lima (MG).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).