Gol tem prejuízo de R$ 2,5 bilhões no 1º trimestre e fará aumento de capital

O prejuízo líquido da Gol quase triplicou no primeiro trimestre, já que a pandemia do coronavírus reduziu a demanda por voos, disse hoje (29), horas após anunciar que estava buscando mais dinheiro dos investidores.

O prejuízo líquido da Gol subiu para R$ 2,5 bilhões, ante perda de R$ 900 milhões no último trimestre de 2020, e ela disse que espera apenas um aumento modesto na demanda no segundo trimestre.

LEIA MAIS: Embraer tem prejuízo de US$ 90 milhões no 1º trimestre

A pandemia no Brasil, que em boa parte do trimestre foi a pior do mundo medida pelo número diário de mortes, dificultou uma recuperação que no final do ano passado havia deixado as companhias aéreas com um tom otimista.

A Gol disse que a demanda por viagens aumentou 4% na terceira semana de abril ante mesma semana de março e que agora espera que sua capacidade no segundo trimestre chegue a cerca de 61% dos níveis pré-pandêmicos.

A receita de passageiros entre janeiro e março ficou em R$ 1,4 bilhão, abaixo dos 1,7 bilhão no trimestre anterior, e metade do que a companhia gerou no mesmo período de 2020.

O caixa e equivalentes de caixa disponíveis da Gol caíram para R$ 400 milhões em 31 de março.

Embora a companhia aérea diga que tem uma liquidez total muito maior, que inclui caixa restrito, ela reconheceu que mesmo essa medida caiu significativamente no trimestre.

A Gol disse que não espera queimar caixa no segundo trimestre, com fluxo de caixa no ponto de equilíbrio.

A Gol anunciou na noite de ontem (28) um aumento de capital de cerca de R$ 512 milhões em novas ações, com os acionistas controladores, os irmãos Constantino, revelando que planejam subscrever até R$ 270 milhões do total, a um preço por ação preferencial  R$ 24,19. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).