O sucesso de Alfred Lin, o maior investidor em venture capital do mundo

Reproducao/Forbes
Reproducao/Forbes

Ele está por trás da resposta de sucesso do Airbnb durante a pandemia e da consolidação do Doordash no mercado norte-americano

Em apenas dois dias de 2020, Alfred Lin desfrutou de duas das dez maiores saídas de capital de todos os tempos entre as empresas de tecnologia dos Estados Unidos. Em 9 de dezembro, o serviço delivery de refeições DoorDash abriu seu capital na Bolsa de Valores de Nova York, terminando o dia com uma capitalização de mercado de US$ 60 bilhões. No dia seguinte, a líder de aluguel de residências Airbnb listou-se na Nasdaq, marcando uma capitalização de mercado de US$ 79 bilhões. Só esses dois resultados geraram mais de US$ 21 bilhões de ganho de capital para Lin e sua empresa de venture capital, a Sequoia.

As duas operações foram, em grande parte, o motivo pelo qual o cidadão da Bay Area (San Francisco) saltou da posição de nº 32 para o nº 1 na Lista Midas 2021 da Forbes, que traz os maiores investidores do mundo.

Lin, que entrou na Sequoia em 2010, diz que vê seu trabalho como “amortecedor” e “parceiro de treino”. “Os empreendedores que apoiamos sonham muito com o mundo que desejam construir e também permanecem ancorados em suas realidades. Esses dois mundos são muito diferentes”, diz ele. “Então você precisa ter um plano que conecte esses dois planetas distintos.”

A especialidade de Lin é ajudar a construir empresas da forma como fez na Zappos, onde foi presidente e diretor de operações por um tempo. Ele e seu colega de Harvard, o falecido Tony Hsieh, venderam sua primeira startup, a LinkExchange, para a Microsoft em 1998 por US$ 265 milhões e depositaram parte dos lucros em uma “incubadora” chamada Venture Frogs, que apostou cedo na Zappos. Eventualmente, isso se tornou quase todo o seu foco, até que venderam o varejista de calçados para a Amazon em 2009. Um ano depois, Lin juntou-se à Sequoia, que recentemente assinou vários cheques para a empresa em estágio inicial AirBed and Breakfasts, de Brian Chesky.

Quando a pandemia começou e os negócios do Airbnb enfrentaram o “abismo” em março de 2020, Lin se voltou para o trabalho em estreita colaboração com Chesky e o resto do conselho do Airbnb em reuniões de emergência aos finais de semana via Zoom para cortar custos, demitir funcionários, quitar dívidas para cobrir reembolsos e impulsionar os negócios para se concentrar no trabalho em qualquer lugar e em viagens domésticas. Chesky, diz Lin, estava empenhado em cumprir o desafio como um herói, não um vilão, apesar das escolhas difíceis. “Eu digo aos empreendedores, você nunca é tão bom ou tão ruim quanto parece’”, diz Lin. Esse “parecer” pode ter significados diferentes para a imprensa, na avaliação de uma startup ou o que os acionistas pensam. “Você precisa se olhar no espelho e decidir se acha que fez tudo o que podia.”

Da mesma forma, Lin ajudou Tony Xu, da DoorDash, a quem ele apoiou em uma rodada da Série A em 2014. Nos primeiros anos da startup de delivery de refeições, Xu e seus cofundadores procuraram Lin para obter experiência em como escalar o modelo de negócio mesmo diante de um orçamento apertado. Embora a DoorDash tenha levantado mais de US$ 2 bilhões antes mesmo do IPO, a empresa não gastou nenhum dinheiro em marketing nos primeiros anos. O sucesso da Zappos em transformar o atendimento ao cliente em um ponto de venda inspirou a equipe do DoorDash a crescer organicamente entre seus contratantes de entrega e restaurantes.

“Ele realmente definiu muito cedo para nós quais metas seriam importantes”, diz Xu. “Ele meio que definiu o ‘o quê’ e o norte conosco. E isso nos permitiu desenvolver muita disciplina desde o estágio inicial.”

O serviço de delivery da DoorDash finalmente floresceu durante a pandemia, mas a empresa ainda enfrentava sua própria crise existencial, enquanto Xu e os investidores se perguntavam como a própria indústria de restaurantes sobreviveria. Lin estava disponível quando necessário, enquanto a DoorDash assegurava equipamentos de segurança para seus entregadores, cortava comissões e preparava refeições gratuitas para trabalhadores essenciais durante a pandemia”, diz Xu.

“É útil ter um parceiro de apoio quando as coisas estão estressantes”, acrescenta Xu. “Então, quando as coisas estão menos estressantes, eles vão desafiar você. . . . Alfred sabe quando equilibrar esses dois lados dele. ”

Ofertas públicas estavam fora de cogitação há um ano, diz Lin. Mas o Airbnb e o DoorDash alcançaram esses marcos de qualquer maneira, pois as taxas de juros permaneceram baixas e o dinheiro continuou fluindo para o mercado de capitais.

No futuro, Chesky e Xu podem não precisar tanto da ajuda de investidores novamente. Ainda assim, ele tem muitas outras startups para apoiar, incluindo o aplicativo de mídia social Reddit, o site de reforma de casas Houzz e o marketplace Faire.

Com o unicórnio de US$ 2,5 bilhões de valor de mercado, Max Rhodes, CEO do Faire, diz que Lin compartilha lições sobre como construir um mercado e cultura corporativa não apenas da Zappos agora, mas também da Airbnb e do DoorDash.

“Ele não apenas entrega a cartilha, ele realmente orienta você através dos primeiros princípios”, diz Rhodes. “É aí que a mente analítica combinada com as experiências é realmente poderosa.”

O próprio Lin diz que fica mais feliz em ouvir os fundadores compartilharem suas grandes visões: “é encantador”, diz ele, que prova ser um dos melhores investidores do mundo quando encontra pedras no meio do caminho. “Acho mesmo que estes tempos difíceis são divertidos”, admite o investidor. “Não porque eu seja um masoquista, mas acho que você não sabe se construiu algo de valor duradouro até ser testado.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).