Os 20 times de futebol mais valiosos do mundo em 2021

Valores dos clubes aumentaram 30% em média nos últimos dois anos, com investidores interessados no potencial inexplorado do apelo global do esporte.

Mike Ozanian
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Em média, os clubes de futebol mais valiosos do mundo valem US$ 2,28 bilhões cada

Acessibilidade


O Barcelona lidera a lista da Forbes dos 20 times de futebol mais valiosos do mundo pela primeira vez, levando o Real Madrid ao segundo lugar. O time catalão está avaliado em US$ 4,76 bilhões, superando os US$ 4,75 bilhões do clube da capital espanhola. O primeiro lugar foi monopolizado por duas equipes nos 16 anos anteriores, com o Real Madrid conquistando-o cinco vezes e o Manchester United, da Inglaterra, 11 vezes.

A ascensão do Barcelona acontece ao mesmo tempo em que o clube está envolvido em uma briga pública com o superastro Lionel Messi, o jogador mais bem pago do mundo, que ameaçou sair do time no ano passado antes da última temporada sob seu contrato. O suspense de meses terminou com a permanência de Messi na equipe e o pedido de demissão do presidente.

VEJA TAMBÉM: Os 50 clubes de futebol mais valiosos das Américas

Os 20 times de futebol mais valiosos do mundo valem em média US$ 2,28 bilhões cada, um aumento de 30% em relação a dois anos atrás, a última vez que o ranking foi publicado. O salto ocorreu mesmo com um declínio na receita causado pelo limite de público durante a pandemia, com os compradores focados no que eles veem como potencial de receita ainda inexplorado entre os massivos seguidores globais do esporte.

A receita média das 20 equipes foi de US$ 441 milhões na temporada 2019-20, queda de 9,6% em relação a 2017-18, enquanto a receita operacional média caiu 56% no período, para US$ 33,8 milhões. O problema está longe de acabar, com um declínio cada vez maior na receita do dia dos jogos durante a atual temporada, já que a maioria das equipes nas principais ligas europeias permite que apenas poucos torcedores assistam às partidas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ainda assim, os investidores continuam a pagar o mesmo valor por times de futebol de primeira linha que oferecem às franquias da NFL, NBA e MLB. O RedBird Capital adquiriu recentemente uma participação minoritária no Fenway Sports Group, dono do Liverpool da Premier League, que avaliou o clube em mais de US$ 4 bilhões, cerca de 6,4 vezes a receita, quase o mesmo múltiplo que Steve Cohen pagou pelo New York Mets no ano passado quando comprou a franquia da MLB por US$ 2,42 bilhões. O Utah Jazz da NBA também mudou de donos por US$ 1,66 bilhão em dezembro, ou seis vezes a receita pré-pandemia. O negócio aumentou o valor do Liverpool em 88% desde a última avaliação.

O clube, que chega ao quinto lugar na lista deste ano com US$ 4,1 bilhões, tem 84 milhões de seguidores combinados no Facebook, Twitter e Instagram, e é o 12º time esportivo mais valioso do mundo. O Barcelona, em quarto lugar no mundo, e o Real Madrid, em quinto lugar, têm mais de 260 milhões de seguidores nas redes sociais cada. O Dallas Cowboys da NFL, a franquia de esportes mais valiosa do mundo com US$ 5,7 bilhões, tem menos de 16 milhões de seguidores na mídia social.

Esse número enorme de seguidores valeu a pena. O Manchester, com quase 140 milhões de seguidores, substituiu recentemente o patrocinador da camisa da Chevrolet pela TeamViewer, uma empresa de software alemã. O negócio começa na próxima temporada de 2021-22 e vai pagar ao clube inglês uma média de US$ 64,9 milhões ao longo de cinco anos. Embora seja menos do que o valor pago pela montadora, inclui menos direitos comerciais, o que significa que o Manchester pode buscar outro patrocinador automotivo e igualar – ou mesmo exceder – o acordo original com a Chevrolet. Real Madrid, Barcelona, Liverpool, Paris Saint-Germain e Juventus, casa do segundo maior ganhador do futebol, o Cristiano Ronaldo, têm ofertas para as camisas que expiram nos próximos anos.

LEIA TAMBÉM: Messi está perto de ser o próximo atleta a atingir ganhos de US$ 1 bilhão na carreira 

MAIORES ACORDOS DE PATROCÍNIO DE CAMISA DO FUTEBOL

Reprodução/Forbes

O merchandise é outro bom atrativo para os investidores. No verão passado no Hemisfério Norte, o Paris Saint-Germain e a potência do merchandising esportivo Fanatics anunciaram um acordo de comércio eletrônico, fabricação e licenciamento que uma pessoa familiarizada com o acordo disse que poderia triplicar os negócios de comércio eletrônico do clube francês para quase US$ 40 milhões até 2023. O clube poderia arrecadar cerca de US$ 60 milhões anualmente até a metade do negócio de 10 anos.

O Real Madrid continua sendo o rei do futebol global quando se trata de receita comercial, arrecadando US$ 424 milhões durante 2019-20 de publicidade, patrocínios, ofertas de camisas e kits, um aumento de 55% em relação a cinco anos atrás, incluindo a oferta de camisas mais valiosa do futebol (US$ 82,5 milhões por ano), e o acordo do kit mais rico (US$ 152 milhões por ano), por meio de acordo com a Adidas que duram até 2030. Barcelona, que teve receita comercial de US$ 377 milhões, ultrapassou o Real Madrid graças aos seus US$ 275 milhões de receita de transmissão, o mais alto de qualquer time de futebol.

METODOLOGIA

As receitas e os lucros operacionais referem-se à temporada 2019-2020, convertidos em dólares americanos com base nas taxas de câmbio médias durante essa temporada. Valores de empréstimos de jogadores a outras equipes foram excluídos da receita. Os valores da equipe são os valores da empresa (patrimônio líquido mais dívida líquida) e incluem a economia do estádio do time, mas excluem o valor do imóvel. O lucro operacional é o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, negociação de jogadores e alienação de registros de jogadores. A dívida refere-se a empréstimos que rendem juros (incluindo dívidas de estádios). 

Veja, na galeria de imagens a seguir, o ranking completo com os 20 times de futebol mais valiosos do mundo em 2021:

  • 20. Ajax

    Amsterdam, Holanda

    Dono/acionista majoritário: Sócios do clube
    Valor: US$ 413 milhões
    Variação nos últimos dois anos: Não ranqueado há dois anos
    Receita (2020): US$ 172 milhões
    Lucro operacional: US$ 1,7 milhão
    Dívida: 11%

    Getty Images
  • 19. Leicester City

    Leicester, Inglaterra

    Dono/acionista majoritário: Khun Aiyawatt Srivaddhanaprabha
    Valor: US$ 455 milhões
    Variação nos últimos dois anos: Não ranqueado há dois anos
    Receita (2020): US$ 189 milhões
    Lucro operacional: -US$ 49,3 milhões
    Dívida: 17%

    Getty Images
  • 18. West Ham United

    Londres, Inglaterra

    Dono/acionista majoritário: David Sullivan, David Gold
    Valor: US$ 508 milhões
    Mudança nos últimos dois anos: -18%
    Receita (2020): US$ 175 milhões
    Lucro operacional: – US$ 24,2 milhões
    Dívida: 18%

    Reprodução/Forbes
  • 17. AS Roma

    Roma, Itália

    Dono/acionista majoritário: Dan Friedkin
    Valor: US$ 548 milhões
    Variação nos últimos dois anos: -12%
    Receita (2020): US$ 156 milhões
    Lucro operacional: US$ 108,4 milhões
    Dívida: 56%

    Getty Images
  • 16. AC Milan

    Milão, Itália

    Dono/acionista majoritário: Elliot Management
    Valor: US$ 559 milhões
    Variação nos últimos dois anos: -4%
    Receita (2020): US$ 165 milhões
    Lucro operacional: – US$ 92,4 milhões
    Dívida: 4%

    Andrea Staccioli/Getty Images
  • 15. Everton

    Liverpool, Inglaterra

    Dono/acionista majoritário: Farhad Moshiri
    Valor: US$ 658 milhões
    Variação nos últimos dois anos: 38%
    Receita (2020): US$ 235 milhões
    Lucro operacional: US$ 15 milhões
    Dívida: 0%

    Emma Simpson/Getty Images
  • 14. Inter de Milão

    Milão, Itália

    Dono/acionista majoritário: Zhang Jindong, LionRock Capital
    Valor: US$ 743 milhões
    Variação nos últimos dois anos: 11%
    Receita (2020): US$ 323 milhões
    Lucro operacional: US$ 13,1 milhões
    Dívida: 8%

    De FodiImages/Getty Images
  • 13. Atlético de Madri

    Madri, Espanha

    Dono/acionista majoritário: Miguel Gil, Enrique Cerezo
    Valor: US$ 1 bilhão
    Variação nos últimos dois anos: 5%
    Receita (2020): US$ 368 milhões
    Lucro operacional: US$ 61,7 milhões
    Dívida: 26%

    Fran Santiago/Getty Images
  • 12. Borussia Dortmund

    Dortmund, Alemanha

    Dono/acionista majoritário: Bernd Geske, Evonik Indústrias
    Valor: US$ 1,9 bilhão
    Variação nos últimos dois anos: 112%
    Receita (2020): US$ 405 milhões
    Lucro operacional: US$ 15,1 milhões
    Dívida: 0%

    Tom Weller/Getty Images
  • 11. Juventus

    Turim, Itália

    Dono/acionista majoritário: família Agnelli
    Valor: US$ 1,95 bilhão
    Variação nos últimos dois anos: 29%
    Receita (2020): US$ 441 milhões
    Lucro operacional: – US$ 14 milhões
    Dívida: 16%

    Marco Canoniero/Getty Images
  • 10. Tottenham Hotspur

    Paris, França

    Dono/acionista majoritário: Joseph Lewis, Daniel Levy
    Valor: US$ 2,3 bilhões
    Variação nos últimos dois anos: 42%
    Receita (2020): US$ 494 milhões
    Lucro operacional: US$ 134,2 milhões
    Dívida: 39%

    Marc Atkins/Getty Images
  • 9. Paris Saint-Germain

    Paris, França

    Dono/acionista majoritário: Qatar Sports Investments
    Valor: US$ 2,5 bilhões
    Variação nos últimos dois anos: 129%
    Receita (2020): US$ 599 milhões
    Lucro operacional (2020): – US$ 4,5 milhões
    Dívida: 0%

    Sebastian Widmann/UEFA/Getty Images
  • 8. Arsenal

    Londres, Inglaterra

    Dono/acionista majoritário: E. Stanley Kroenke
    Valor: US$ 2,8 bilhões
    Variação nos últimos dois anos: 23%
    Receita (2020): US$ 430 milhões
    Lucro operacional (2020): US$ 47,3 milhões
    Dívida: 7%

    Getty Images
  • 7. Chelsea

    Londres, Inglaterra

    Dono/acionista majoritário: Roman Abramovich
    Valor: US$ 3,2 bilhões
    Variação nos últimos dois anos: 24%
    Receita (2020): US$ 520 milhões
    Lucro operacional (2020): US$ 34,7 milhões
    Dívida: 0%

    Getty Images
  • 6. Manchester City

    Manchester, Inglaterra

    Dono/acionista majoritário: Sheikh Mansour bin Zayed Al Nahyan
    Valor: US$ 4 bilhões
    Variação nos últimos dois anos: 49%
    Receita (2020): US$ 609 milhões
    Lucro operacional (2020): US$ -2 milhões
    Dívida: 0%

    Reprodução/Forbes
  • 5. Liverpool

    Liverpool, Inglaterra

    Dono/acionista majoritário: John Henry, Tom Werner
    Valor: US$ 4,1 bilhões
    Variação nos últimos dois anos: 88%
    Receita: US$ 619 milhões
    Lucro operacional (2020): US$ 61,9 milhões
    Dívida: 2%

    Reprodução/Forbes
  • 4. Manchester United

    Manchester, Inglaterra

    Dono/acionista majoritário: Família Glazer
    Valor: US$ 4,2 bilhões
    Variação nos últimos dois anos: 10%
    Receita (2020): US$ 643 milhões
    Lucro operacional (2020): US$ 166,6 milhões
    Dívida: 16%

    Getty Images
  • 3. Bayern de Munique

    Munique, Alemanha

    Dono/acionista majoritário: Sócios do clube
    Valor: US$ 4,215 bilhões
    Variação nos últimos dois anos: 39%
    Receita (2020): US$ 703 milhões
    Lucro operacional (2020): US$ 49,2 milhões
    Dívida: 0%

    Getty Images
  • 2. Real Madrid

    Madri, Espanha

    Dono/acionista majoritário: Sócios do clube
    Valor: US$ 4,75 bilhões
    Variação nos últimos dois anos: 12%
    Receita (2020): US$ 792 milhões
    Lucro operacional (2020): US$ 92 milhões
    Dívida: 6%

    Getty Images
  • 1. Barcelona

    Barcelona, Espanha

    Dono/acionista majoritário: Sócios do clube
    Valor: US$ 4,76 bilhões
    Variação nos últimos dois anos: 18%
    Receita (2020): US$ 792 milhões
    Lucro operacional (2020): US$ 62,2 bilhões
    Dívida: 6%

    Reprodução/Forbes

20. Ajax

Amsterdam, Holanda

Dono/acionista majoritário: Sócios do clube
Valor: US$ 413 milhões
Variação nos últimos dois anos: Não ranqueado há dois anos
Receita (2020): US$ 172 milhões
Lucro operacional: US$ 1,7 milhão
Dívida: 11%

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: