PIB da China bate recorde de crescimento a 18,3% no 1º trimestre

Berkah/GettyImages
Berkah/GettyImages

Resultado foi impulsionado por demanda mais forte tanto no país quanto no exterior e pelo suporte contínuo do governo às empresas menores

A recuperação econômica da China acelerou com força no primeiro trimestre para um crescimento recorde de 18,3% em relação à forte queda do ano anterior devido ao coronavírus, impulsionada por demanda mais forte tanto no país quanto no exterior e pelo suporte contínuo do governo às empresas menores.

Mas a expansão, bastante influenciada pela queda na atividade um ano antes, deve se moderar neste ano conforme o governo passa sua atenção para a contenção dos riscos financeiros em superaquecer partes da economia.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Embora o salto do PIB (Produto Interno Bruto) tenha ficado abaixo da expectativa de economistas, em 19% segundo pesquisa da Reuters, os dados oficiais mostraram que esse foi o crescimento mais rápido desde que os registros trimestrais começaram em 1992, depois de alta de 6,5% no quarto trimestre de 2020.

“A conclusão é que, com a economia já acima de sua tendência pré-vírus e o suporte sendo retirado, a recuperação da China pós-Covid está se nivelando”, disse Julian Evans-Pritchard, economista sênior da Capital Economics. “Esperamos que o crescimento trimestral permaneça modesto durante o resto do ano conforme o recente boom na construção e nas exportações perca força, levando a atividade de volta à tendência.”

Com a ajuda de rigorosas medidas de contenção e de alívio emergencial a empresas, a economia se recuperou da perda de 6,8% vista nos três primeiros meses de 2020, quando o vírus da Covid-19 surgido na cidade de Wuhan rapidamente se tornou em uma pandemia.

As vendas no varejo dispararam 34,2% em março sobre o mesmo período do ano anterior, superando a expectativa de ganho de 28,0% e o salto de 33,8% visto nos dois primeiros meses do ano.

Outros dados, no entanto, mostraram moderação na expansão, com o crescimento na base trimestral desacelerando a 0,6% entre janeiro e março, de 3,2% no trimestre anterior, abaixo da expectativa de 1,5%.

A produção industrial cresceu 14,1% em março sobre o ano anterior, após salto de 35,1% em janeiro-fevereiro e atrás da projeção de economistas de 17,2%. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).