Primeiro fundo de investimento em crédito de carbono é lançado hoje no Brasil

Produto de crédito de carbono da Vitreo tem aplicação mínima de R$ 1 mil e é concentrado em ativos negociados em euro

Redação
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Produto de crédito de carbono da Vitreo tem aplicação mínima de R$ 1 mil e é concentrado em ativos negociados em euro

Acessibilidade


Com a demanda ascendente por produtos que valorizem critérios de ESG (ambiental, social e governança, em português), a plataforma de investimentos Vitreo criou o Vitreo Carbono FIM, que busca aproveitar oportunidades de empresas compensadas por diminuir suas emissões de carbono na atmosfera. O fundo é focado em ativos do mercado futuro europeu, negociados em euro, e a partir de hoje é ofertado aos investidores brasileiros de todos os perfis.

O Vitreo Carbono FIM tem taxa de administração de 0,9% e taxa de performance de 10% sobre o que exceder o retorno de 5% em euro ao ano. A aplicação mínima é de R$ 1 mil. A gestora já oferece outros dois produtos voltados para critérios ESG, o FoF ESG Carbono Neutro e o Vitreo Franklin W-ESG FIA BDR Nível I.

VEJA TAMBÉM: EUA e outros países ampliam metas ambientais em Cúpula do Dia da Terra

Os investimentos que priorizam os critérios ambientais, sociais e de governança corporativa são uma tendência global, de acordo com George Wachsmann, sócio e chefe de gestão da Vitreo. “O investimento nessa classe é uma tendência mundial incentivada tanto pela revisão regulatória que começa a tomar força em todo o mundo, mas também pela tomada de consciência das corporações, consumidores e agentes políticos.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no

Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App

Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: