Bitcoin recua 2% e Dogecoin dispara quase 500% em abril

SlavkoSereda/GettyImages
SlavkoSereda/GettyImages

Preço do bitcoin foi afetado no mês por problemas de mineração na China e movimentos de correção técnica

O mês de abril testou a resiliência do bitcoin que, após alcançar máxima histórica de US$ 64 mil na véspera do IPO da Coinbase na Nasdaq, protagonizou quedas sequenciais nos dias e semanas seguintes, encerrando o mês com desvalorização acumulada de 1,98%. Para efeitos comparativos, em março, a moeda digital havia escalado 29,8%. A correção nos preços é um movimento natural do mercado, explica a CEO da NovaDAX, Beibei Liu, mas a queda acentuada, no entanto, acendeu a luz amarela para os investidores com um pouco mais de memória: em 2018, os preços da cripto despencaram 70% num intervalo de 12 meses.

Na madrugada do último dia 18, o bitcoin chegou a registrar queda de 19% no exterior, negociado na casa dos US$ 52 mil. Segundo informações de agências internacionais de notícias, a queda refletiu a inundação de uma mina de carvão em Xinjiang, na China. O governo local precisou racionar e suspender o fornecimento de energia no país (responsável pela maior parcela da mineração de BTC do mundo). Sem energia elétrica, os mineradores de bitcoin tiveram que parar de trabalhar.

Os efeitos foram sentidos também nas altcoins (criptomoedas alternativas ao bitcoin), como o token ethereum caindo 20% na mesma madrugada, negociado ao preço de US$ 2.044,87, e no binance Coin, que declinou de cerca de 25%, negociado a US$ 432,51. O movimento também causou uma liquidação de US$ 10 bilhões em contratos futuros de criptomoedas, segundo a plataforma de negociação de moedas digitais Bybt Data, fazendo desaparecer US$ 300 bilhões em menos de 24 horas no mercado cripto.

Os solavancos do curto prazo são minimizados pelo desempenho do bitcoin – e de outras criptos – nos últimos meses. Considerando apenas o primeiro quadrimestre de 2021, o bitcoin acumula valorização de 98%, com capitalização de mercado próxima de US$ 1,1 trilhão.

“Os eventos que causaram as quedas nas moedas foram melhor absorvidos pelo mercado após análise dos impactos, ou seja, de certa forma, houve um exagero na correção dos preços e agora temos um melhor equilíbrio. Por ser livre mercado, não existem outras variáveis além de oferta e demanda para formação de preços dos criptoativos”, explica Igor Rodrigues, head de OTC do Mercado Bitcoin.

Durante o mês, os preços foram influenciados ainda pela notícia de que os Estados Unidos planejam dobrar a alíquota cobrada sobre ganhos de capital dos norte-americanos mais ricos e por vencimentos nos contratos futuros de bitcoins. As oscilações na casa dos bilhões, no entanto, não alteram os fundamentos das criptomoedas, segundo Rodrigues, acrescentando que tratam-se de correções num mercado ainda em desenvolvimento.

O outro lado da moeda

Segundo o CoinMarketCap, o dogecoin é uma das criptomoedas que fechou o último mês no azul. Em abril, a moeda digital apresentou uma valorização de 470%, negociada ao patamar de US$ 0,33 na sexta-feira (30). No ano, a cripto acumula alta superior a 7.800%

O rally da moeda digital foi amparado nos últimos meses pelo CEO da Tesla, Elon Musk, que atraiu a curiosidade de investidores e entre os seus seguidores nas redes sociais após tuítes e comentários sobre a altcoin.

Coinlib
Coinlib

Veja o desempenho do bitcoin, do ethereum, do dogecoin e do binance Coin em abril:

Possibilidade de investimentos

Dada a grande volatilidade das criptomoedas, o especialista do Mercado Bitcoin sugere que o investimento em criptomoedas seja parte de um plano de longo prazo de qualquer investidor, com apenas uma pequena parte da carteira alocada em moedas digitais, entre “2% a 5% seja destinado a esses ativos”, recomenda Rodrigues.

Na última semana, os investidores brasileiros ganharam mais opções para entrar no mercado das criptomoedas. A gestora Hashdex, em parceria com a Nasdaq, iniciou as negociações do primeiro ETF de criptoativos da B3, o Hashdex Nasdaq Crypto Index Fundo de Índice, que tem como referência o Nasdaq Crypto Index (NCI) e é negociado sob o ticker HASH11.

Em sua estreia, o ETF movimentou R$ 156 milhões. Em evento online da Genial Investimentos, o head de distribuição da Hashdax, Stefano Sergole, avaliou que “o mundo digital tem muito para se amadurecer, com um momento regulatório prático, outras oportunidades irão aparecer.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).