Contra a inflação, bilionário Ray Dalio prefere bitcoins do que títulos públicos

O CEO do Bridgewater Associates alerta para regulação iminente das criptomoedas ao redor do mundo .

Jonathan Ponciano
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

O CEO do Bridgewater Associates alerta para regulação iminente das criptomoedas ao redor do mundo

Acessibilidade


O bilionário Ray Dalio, fundador do maior fundo de hedge do mundo, afirmou em conferência nesta segunda (24) que possui “alguns” bitcoins, chamando a criptomoeda de uma proteção contra a inflação melhor do que títulos públicos.

A declaração foi feita na conferência anual Consensus, da CoinDesk. Dalio, de 71 anos, revelou seu investimento em bitcoins pela primeira vez enquanto discutia as preocupações inflacionárias que alimentam uma recuperação da criptomoeda e sacodem o mercado de ações.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“Pessoalmente, eu prefiro bitcoin do que um título público” como instrumento de proteção contra a inflação, disse Dalio na entrevista gravada em 7 de maio, acrescentando que “o maior risco do bitcoin é o seu sucesso”.

A entrevista de Dalio foi ao ar apenas nesta semana, quando o preço do bitcoin pairava próximo de US$ 37 mil – subindo 11% em 24 horas, mas ainda 40% abaixo de seu pico mais recente.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A mudança no posicionamento de Dalio ocorre depois de questionar o ressurgimento maciço das criptomoedas em novembro no Twitter: “posso estar perdendo algo sobre o bitcoin, então adoraria ser corrigido”, publicou.

“Ao contrário do ouro, que é o terceiro maior ativo de reserva que os bancos centrais possuem, não consigo imaginar bancos centrais, grandes investidores institucionais, empresas ou empresas multinacionais usando [bitcoin]”, Dalio tuitou na época – poucos meses antes do Goldman Sachs, Morgan Stanley e Tesla começarem a se envolver com a cripto.

“Um dos grandes riscos é o governo ter a capacidade de controlar quase qualquer um deles – o bitcoin ou [outras] moedas digitais. Eles sabem onde estão e o que está acontecendo”, advertiu Dalio na conferência. Ele teve um tom igualmente cauteloso em novembro, dizendo:” minha experiência com o governo é que eles podem regular o que quiserem, quando quiserem. Se [bitcoin] ficar cada vez maior, será regulamentado.”

Durante a pandemia, muitos investidores – de operadores domésticos a gigantes institucionais – adotaram as criptomoedas como uma proteção legítima contra as preocupações com a inflação de longo prazo, que vieram à tona devido aos pacotes de estímulo. “Essas medidas de emergência, como a agenda maciça de impressão de dinheiro, reduzem o valor de moedas tradicionais, como o dólar”, disse Nigel Green, CEO da consultoria de fortunas deVere Group, em nota recente, ecoando os comentários de Dalio. A volatilidade do bitcoin segue intensa, como evidenciado pela queda dos preços deste mês e até mesmo pela recuperação observada nesta semana.

As recentes medidas de repressão e controle anunciadas pela China já começam a restringir a atividade de mineração no país asiático. Nos Estados Unidos, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, alertou na semana passada que o plano fiscal do presidente Joe Biden deve incluir novos requisitos para as criptomoedas. As preocupações regulatórias já abalaram o mercado de criptomoedas antes. O valor de mercado combinado das criptomoedas caiu mais de 80% meses depois que alguns países, como a Coréia do Sul, começaram a reprimir as ofertas iniciais de moedas (ICOs).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: