Crash das criptos: como o ethereum pode ultrapassar o bitcoin

Maior adoção, contratos inteligentes e atualizações da rede estão entre motivos para valorização nos preços do ether.

Billy Bambrough
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Maior adoção, contratos inteligentes e atualizações da rede estão entre motivos para valorização nos preços do ether

Acessibilidade


A turbulência nos preços das criptomoedas atingiu os mercados nas últimas semanas, com o ethereum, a segunda maior criptomoeda depois do bitcoin, perdendo cerca de 50% de seu valor. O preço do bitcoin também caiu drasticamente de seu máximo histórico de quase US$ 65 mil por unidade em meados de abril, após comentários do bilionário e CEO da Tesla, Elon Musk, e temores de uma repressão contra as moedas digitais por parte da China diminuindo o brilho do bitcoin.

Após os acontecimentos, Todd Morley, cofundador e ex-executivo da companhia de serviços financeiros Guggenheim Partners, que se tornou um investidor e empresário no ramo das criptomoedas e blockchain, disse que acha que o ethereum tem uma “utilidade muito maior” do que o bitcoin.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“O ethereum, para mim, tem uma utilidade muito maior [do que bitcoin] em função dos contratos inteligentes”, disse Morley à Bloomberg TV, alertando que as empresas que não têm uma estratégia digital estão em risco e indicando que essas companhias podem rapidamente envelhecer no setor de tecnologia.

“Essas tecnologias estão se movendo muito rápido para outras partes do mundo. Os desenvolvedores de aplicações para o ethereum cresceram 20x nos últimos seis anos consecutivos, muito, mas muito mais rápido do que a Lei de Moore, então é aí que entra a emoção.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Lei de Moore, cunhada pelo engenheiro Gordon Moore em 1965, postula que as velocidades de computação dobram a cada dois anos junto com o número de transistores por chips.

Nos últimos 12 meses, a popularidade das chamadas DeFi (Finanças Descentralizadas) – usando a tecnologia das criptomoedas, construída sobre a rede ethereum para recriar instrumentos financeiros tradicionais, como empréstimos e juros, projetados para substituir o papel dos bancos por protocolos baseados em blockchain – disparou, impulsionando os preços do ethereum.

Enquanto isso, a rede ethereum ganhou outra funcionalidade com a crescente popularidade dos NFTs (Tokens Não Fungíveis), amplamente emitidos no blockchain do ethereum para digitalizar arte e itens colecionáveis.

As altas no preço do ether nos últimos meses ultrapassou em muito as do bitcoin: quase 1.000% de valorização no ETH contra ganho de 300% no BTC, apesar da recente queda dos preços do ethereum. A capitalização de mercado do ethereum, definida pelo valor combinado de todos os tokens de ether em circulação, disparou para aproximadamente US$ 300 bilhões, quase metade dos cerca de US$ 700 bilhões do bitcoin.

No início deste mês, um relatório do Goldman Sachs deu ao ethereum uma “grande chance” de ultrapassar o bitcoin como uma reserva de valor “dominante” – chamando-o de “Amazon da informação”.

“Dada a importância dos usos reais na determinação de reserva de valor, o ether tem uma grande chance de ultrapassar o bitcoin como reserva dominante”, escreveram analistas do Goldman Sachs.

As atualizações do ethereum, esperadas há muito tempo, iniciadas no final do ano passado e projetadas para ajudar a escalar a criptomoeda e reduzir seus altos custos de transação, também ajudaram o preço do ether a atingir níveis nunca antes vistos.

Mark Cuban, o investidor bilionário que ficou famoso pela versão norte-americana do reality show Shark Tank, disse esperar que a tão esperada atualização 2.0 do ethereum desperte o desenvolvimento de aplicativos que tornem o bitcoin insignificante.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: