Criação de vagas de trabalho nos EUA fica bem abaixo da expectativa em abril

REUTERS/Carlo Allegri
REUTERS/Carlo Allegri

País abriu 226 mil novos postos de trabalho, enquanto expectativa previa a abertura de 978 mil

A economia dos EUA criou 266 mil vagas de trabalho em abril, após abrir 770 mil em março, disse o Departamento de Trabalho em seu relatório de emprego hoje (7). Economistas consultados pela Reuters previam abertura de 978 mil postos de trabalho.

Os empregadores norte-americanos contrataram muito menos trabalhadores do que o esperado no último mês, provavelmente frustrados com a escassez de mão-de-obra. Agora, ficam em dificuldades para atender à alta da demanda em meio à melhora da saúde pública e à forte ajuda financeira do governo.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O relatório de emprego, o primeiro desde o pacote de resgate da Casa Branca de US$ 1,9 trilhão ter sido aprovado em março, provavelmente fará pouco para mudar as expectativas de que a economia entrou no segundo trimestre com ímpeto e caminha para seu melhor desempenho em quase quatro décadas este ano.

Doze meses atrás, a economia norte-americana eliminou um recorde de 20,679 milhões de empregos ao enfrentar o fechamento obrigatório de empresas não essenciais para desacelerar a primeira onda de infecções por coronavírus.

Norte-americanos com mais de 16 anos já estão elegíveis para se vacinar contra a Covid-19, o que levou estados como Nova York, Nova Jersey e Connecticut a suspender a maioria de suas restrições de capacidade dentro das empresas.

Mas a explosão resultante na demanda, que contribuiu para o ritmo de crescimento anualizado de 6,4% da economia no primeiro trimestre, o segundo mais rápido desde o terceiro trimestre de 2003, provocou escassez de mão de obra e matérias-primas.

Das indústrias aos restaurantes, empregadores estão lutando para conseguir trabalhadores. Uma série de fatores, incluindo pais que ainda estão em casa cuidando dos filhos, aposentadorias relacionadas ao coronavírus e cheques generosos de auxílio-desemprego, são responsáveis ​​pela escassez de mão de obra. O ritmo moderado de contratação pode durar pelo menos até setembro, quando os benefícios de auxílio-desemprego acabarem.

O mercado de trabalho continua sustentado por uma política fiscal e monetária muito acomodatícia. Joe Biden, presidente norte-americano, planeja investir mais US$ 4 trilhões em educação e creches, famílias de baixa e média rendas, infraestrutura e empregos. O Federal Reserve sinalizou que pretende deixar sua taxa básica de juros próxima de zero e continuar a injetar dinheiro na economia por meio da compra de títulos por algum tempo.

A taxa de desemprego subiu a 6,1% em abril de 6,0% em março. A taxa tem sido subestimada por pessoas que classificam a si mesmas de forma equivocada, como “empregadas, mas ausentes do trabalho”. Milhões de norte-americanos continuam fora do trabalho e muitos perderam seus empregos de forma permanente por causa da pandemia. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).