Global 2000: a luta entre Amazon e Walmart pela supremacia no varejo

O valor de mercado de US$ 1,71 trilhão da companhia liderada por Jeff Bezos é mais do que o quádruplo dos US$ 396 bilhões da loja de departamentos.

John Dobosz
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Jeff Bezos, fundador da Amazon

Acessibilidade


Em 2020, a pandemia proporcionou um poderoso impulso de vendas em duas gigantes do varejo. A receita anual do Walmart aumentou 6,7% no ano, para US$ 559,15 bilhões. Foi o crescimento mais rápido em 12 anos, e manteve a companhia baseada em Bentonville, Arkansas, em primeiro lugar na categoria de vendas totais entre todas companhias do ranking Global 2000. O aumento foi ainda mais forte para a Amazon.com, que viu as vendas dispararem 37,6%, para US$ 386,06 bilhões no período, o segundo maior salto da lista. O índice foi o maior incremento de receita da Amazon desde 2011.

O Walmart, por enquanto, tem as vendas mais altas de qualquer empresa no Global 2000, mas a Amazon, atualmente classificada em segundo lugar, deve ultrapassá-la em receita até o final do ano que vem, de acordo com as previsões dos analistas. A classificação geral da Amazon no Global 2000 já está à frente do Walmart (Nº 10 vs. Nº 18), e em três dos quatro critérios considerados para o tamanho da empresa: lucros (Nº 16 vs. Nº 34); ativos (Nº 129 vs. Nº 160); e valor de mercado (Nº 4 vs. Nº 17).

LEIA TAMBÉM: Global 2000: as maiores empresas de capital aberto do setor de saúde em 2021

Graças à flutuabilidade do preço de suas ações, a Amazon se tornou uma empresa de trilhões de dólares por capitalização de mercado em 2020. As ações da empresa ganharam 41% no ano encerrado em 16 de abril, mais de cinco vezes o retorno de 8% do Walmart, e seu valor de mercado de US$ 1,71 trilhão é mais do que o quádruplo dos US$ 396 bilhões do Walmart.

As duas gigantes do varejo, frequentemente, lutam para ganhar negócios um do outro, como no lucrativo setor de alimentos, onde o Walmart tem quase 20% de participação de mercado, em comparação com 2% da Amazon, que detém a rede de supermercados Whole Foods. A liderança do Walmart está sendo atacada pela Amazon e por supermercados locais que usam serviços como o Instacart para se inclinar mais fortemente para as vendas online. Uma iniciativa que está literalmente dando frutos para a Amazon é o número crescente de locais Amazon Fresh configurados para vender produtos perecíveis para compradores de alimentos em lojas físicas. O Walmart, por sua vez, ampliou sua presença no canal online, onde as vendas cresceram 79% no ano passado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O terceiro maior varejista no Global 2000 é a gigante do comércio eletrônico da China, Alibaba Group Holding Ltd., que supera a Amazon e o Walmart em termos de lucro e cujo valor de mercado de US$ 658 bilhões excede o do Walmart. No geral, é a 23ª maior empresa no ranking. Embora o Alibaba seja o peso-pesado do e-commerce chinês, a competição é feroz com rivais como JD.com, o sexto maior varejista do mundo com uma classificação geral em 2021 de Nº 101 ante a 238ª colocação no ano passado.

Os negócios foram dinâmicos em 2020 para os varejistas de materiais de construção, com a Home Depot e a Lowe’s subindo na classificação geral. A pandemia também ajudou a impulsionar alguns novos nomes do mundo do varejo para o Global 2000, incluindo Williams-Sonoma (Noº 1319), Dick’s Sporting Goods (Nº 1848) e Big Lots (N° 1848).

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: