Guedes diz que auxílio emergencial terá de ser substituído por programa sustentável reforçado

Ministro também afirma que não sabe se consegue "chegar aos R$ 600"

Redação
Compartilhe esta publicação:
Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

“Não sei se vamos chegar aos R$ 600”, disse Guedes durante audiência pública de um conjunto de comissões da Câmara dos Deputados.

Acessibilidade


O auxílio emergencial terá que ser substituído por um programa sustentável, que pode ser um Bolsa Família ou um Renda Brasil fortalecido, disse hoje (04) o ministro da economia, Paulo Guedes, defendendo que o valor fique acima dos R$ 170.

“Mas talvez não sei se vamos chegar aos R$ 600”, disse Guedes durante audiência pública de um conjunto de comissões da Câmara dos Deputados.

LEIA TAMBÉM: Sem acordo sobre vetos, Congresso cancela sessão e adia votação de projeto que recompõe Orçamento

Ele afirmou que o país pode fazer a escolha de lançar um programa de erradicação da pobreza de “quatro, cinco anos”, financiado com recursos da venda de empresas estatais.

“Isso terá que ser um esforço conjunto, isso é um Congresso inteiro, uma PEC, é algo que nós temos que pensar juntos”, afirmou.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Respondendo a questionamentos dos parlamentares, Guedes disse que o PT criou um programa “elogiável”, em modelo defendido por economistas liberais, mas não adotou um valor de R$ 600 porque não tinha fontes estáveis.

“O auxílio emergencial, em uma situação de emergência, a gente consegue de repente durante um ano dar os 600, agora, ele é de natureza diferente. Uma coisa é o Bolsa Família, outra coisa é o auxílio emergencial, o Bolsa Família é para sempre, então ele tem que ter um financiamento estável”, afirmou. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: