Hyundai vai reduzir linha de modelos a combustão e investir em elétricos

A montadora pretende vender cerca de um milhão de veículos elétricos por ano até 2025 para obter 10% de participação global.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Boonchai Wedmakawand/Getty Images
Boonchai Wedmakawand/Getty Images

A montadora pretende vender cerca de um milhão de veículos elétricos por ano até 2025 para obter 10% de participação global

Acessibilidade


A Hyundai vai reduzir o número de modelos movidos a combustão para liberar recursos para investimento em veículos elétricos, afirmaram duas fontes próximas da montadora sul-coreana.

Tal decisão vai resultar em corte de 50% nos modelos movidos por queima de combustível fóssil, disse uma das fontes, afirmando que a estratégia já foi aprovada pela administração da companhia em março.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Embora a Hyundai não tenha comentado questionamentos da Reuters sobre os planos para os veículos a combustão, a companhia afirmou hoje (27) que está acelerando a adoção de modelos ambientalmente amigáveis como os movidos a hidrogênio e baterias. A montadora afirmou ainda que tem objetivo de ter eletrificação completa até 2040.

O Hyundai Motor Group, que tem as marcas Hyundai, Kia e Genesis, pretende vender cerca de um milhão de veículos elétricos por ano até 2025 para obter 10% de participação no mercado global de elétricos. “A Hyundai parou de desenvolver novos motores para combustão interna em carros”, disse uma das fontes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Para a Hyundai, que junto com a Kia é um dos dez maiores grupos automotivos do mundo, a decisão é importante porque a companhia tem uma das mais amplas gamas de tecnologias de motores e transmissões da indústria.

O grupo vai concluir a elaboração da estratégia a mudança de todos os seus modelos para propulsão elétrica nos próximos seis meses, afirmou a fonte. As fontes afirmaram ainda que a ideia do grupo se tornar um fornecedor para a Apple encontrou forte oposição interna. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: