Ibovespa abre no vermelho, descolado do exterior

O principal índice da Bolsa de São Paulo interrompe os ganhos da véspera e abre em queda hoje (18), na contramão do exterior positivo e das altas das commodities, apesar de Japão e Zona do Euro terem apresentado contração em suas economias no primeiro trimestre. Perto das 10h15, o Ibovespa caía 0,26%, a 122.612. O mercado segue acompanhando a CPI da Covid-19 no Senado, que hoje ouve o ex-ministro de relações exteriores, Ernesto Araújo. Ainda no âmbito político, a pauta da Câmara traz a medida provisória de capitalização da Eletrobras.

O real se beneficiava do recuo do índice DXY na abertura, que mede o desempenho da divisa norte-americana ante pares no exterior, mas apagou os ganhos e passou a cair. Perto das 10h20, o dólar operava próximo à estabilidade, a R$5,2604

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Lá fora, Ásia e Europa trouxeram dados importantes. O governo japonês mostrou que a economia do país encolheu 5,1% no primeiro trimestre, após salto de 11,6% no trimestre anterior e acima da expectativa de contração de 4,6%. No mesmo sentido, o PIB (Produto Interno Bruto) da Zona do Euro contraiu 0,6% nos primeiros três meses do ano, com queda em todos os maiores países do bloco, com exceção da França, em linha com as estimativas e confirmando a recessão técnica. Já o Reino Unido apresentou taxa de desemprego de 4,8% em março, ligeiramente abaixo da expectativa de 4,9%.

Apesar dos dados, os mercados mundiais têm dia de otimismo em relação às reaberturas das economias. Nos Estados Unidos, os futuros das Bolsas apresentam desempenho positivo, após recuo na véspera, e com recuperação dos papéis de tecnologia. Os investidores já se preparam para a divulgação da ata da última reunião do comitê de política monetária do Federal Reserve, que será divulgada amanhã(19).

As ações na Europa seguem a mesma direção.O Stoxx 600 sobe 0,31%. Na Alemanha, o DAX cresce a 0,15%; enquanto o CAC 40 valoriza 0,10% na França; na Itália, o FTSE MIB é negociado em alta de 0,29%; e o FTSE 100 a 0,37% positivos, no Reino Unido.

O estrategista de ações da Genial Investimentos, Filipe Villegas, explica que o cenário de otimismo com as reaberturas influencia no movimento das commodities. “Vemos o petróleo subindo, além da maioria das commodities metálicas e agrícolas, sob sinais de reabertura das economias e também de aumento da demanda.”

Na Ásia, as Bolsas fecharam no azul. O índice Shanghai, da China, subiu 0,32%, com os futuros do minério de ferro fechando em alta de mais de 4%. O Hang Seng, de Hong Kong, valorizou 1,42%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou em alta de 1,24%; e no Japão, o índice Nikkei cresceu 2,09%. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).