Intel projeta que escassez de chips deve durar anos

Pat Gelsinger afirmou que o isolamento social gerou um crescimento explosivo na demanda por chips.

Redação
Compartilhe esta publicação:
SOPA Images/Getty Images
SOPA Images/Getty Images

Segundo o presidente da Intel, Pat Gelsinger, o isolamento social gerou um crescimento explosivo na demanda por chips

Acessibilidade


O presidente da Intel afirmou hoje (31) que pode levar vários anos para que o quadro de escassez de semicondutores no mundo seja resolvido, um problema que tem atingido a indústria automotiva e está sendo sentido por outros setores.

Pat Gelsinger afirmou durante evento online que o isolamento social gerou um “crescimento explosivo na demanda por semicondutores”, que criou uma grande pressão sobre as cadeias de fornecimento de chips.

LEIA TAMBÉM: Microsoft diz que grupo responsável por ataque hacker da SolarWinds mira agências governamentais

“Apesar da indústria ter tomado medidas para resolver os problemas no curto prazo, ainda pode levar vários anos para que o ecossistema resolva a escassez de capacidade de produção.”

Gelsinger afirmou em entrevista ao “Washington Post” em meados de abril que o quadro de falta e oferta de chips poderia levar “alguns anos” para ser resolvido.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Intel anunciou em março um plano de US$ 20 bilhões para ampliar sua capacidade de produção de chips avançados e que prevê a construção de duas fábricas no Estado norte-americano de Arizona.

“Planejamos expandir para outros locais nos EUA e Europa para assegurar uma cadeia de abastecimento segura para o mundo”, afirmou o executivo nesta segunda-feira sem dar detalhes. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: