Lucro da Saudi Aramco vai a US$ 21,7 bilhões e supera expectativa no trimestre

A produtora estatal de petróleo Saudi Aramco superou as previsões dos analistas hoje (4) com um aumento de 30% no lucro líquido do primeiro trimestre e manteve o pagamento de dividendos, ajudada pelos preços mais fortes do petróleo.

Os ganhos de empresas globais de energia como a Exxon Mobil aumentaram com a alta do petróleo, que avançou cerca de um terço neste ano, à medida que a demanda por combustível se recupera da pandemia e o excedente global de petróleo diminui.

LEIA MAIS: PetroRio tem prejuízo no 1º trimestre, mas produção sobe 33,6%

“Dados os sinais positivos para a demanda de energia em 2021, há mais razões para estar otimista de que dias melhores estão chegando”, disse Amin Nasser, presidente-executivo da maior exportadora de petróleo do mundo, em um comunicado. “E embora alguns ventos contrários ainda permaneçam, estamos bem posicionados para atender às crescentes necessidades de energia do mundo à medida que as economias começam a se recuperar”, disse ele. O lucro líquido aumentou para US$ 21,7 bilhões no primeiro trimestre, versus US$ 16,7 bilhões no mesmo período do ano anterior.

A previsão de lucro líquido era de US$ 19,48 bilhões, de acordo com uma média de estimativas de cinco analistas. A Aramco, listada em 2019 com a venda de uma participação de 1,7% principalmente para o público saudita e instituições regionais, disse que os lucros foram impulsionados também por maiores margens de refino e produtos químicos, ajudando a compensar a queda na produção. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).