Lucro líquido da Eneva cresce 13% para R$ 203 milhões no 1º trimestre

A empresa registrou grande geração térmica no início de 2021, em meio aos baixos níveis dos reservatórios de hidrelétricas.

Redação
Compartilhe esta publicação:

A Eneva registrou um lucro líquido de R$ 203 milhões no primeiro trimestre, alta de 13% ante o mesmo período de 2020, com impulso da grande geração térmica da companhia em meio aos baixos níveis históricos dos reservatórios de hidrelétricas no início do ano, disse ontem (12) o diretor de Finanças, Marcelo Habibe.

Acessibilidade


A companhia iniciou o ano com 100% de suas térmicas ligadas e apenas começou a desligá-las na terceira semana de fevereiro, segundo o executivo. Com isso, o despacho médio ponderado entre janeiro e março foi de 58%, ante 50% no mesmo período do ano passado.

LEIA MAIS: Forbes Radar: Sinqia, Eneva, Aliansce Sonae e outros destaques corporativos

“Foi um trimestre muito bom… Vale destacar a importância das térmicas no abastecimento do país”, disse Habibe, em uma conversa por telefone.

Como resultado, o Ebitda (lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização) ajustado foi recorde para um primeiro trimestre, de R$ 446 milhões, alta de 2,8%, com melhora das margens fixas das usinas a gás, aumento da margem variável em Pecém II e menores gastos com sísmica em relação a um ano antes.

A posição de caixa e equivalentes ficou em R$ 2,1 bilhões no final do trimestre e a alavancagem (dívida líquida/Ebitda últimos 12 meses) em 3,3 vezes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Habibe pontuou ainda boas perspectivas para o ano, diante do cenário hidrológico.

“Vamos ter um ano com mais térmicas ligadas. Para a gente vai ser ano com muito despacho”, afirmou. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: