Marfrig compra fatia de 24% na rival BRF para diversificar investimentos

Os ativos das empresas têm complementaridade, dado o foco da Marfrig em bovinos e, da BRF, em aves e suínos.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Dimas Ardian/Gettyimages
Dimas Ardian/Gettyimages

Em comunicados, Marfrig e BRF confirmaram as transações, que haviam sido divulgadas antes na imprensa

Acessibilidade


A processadora de carnes Marfrig confirmou ontem (22) ter comprado cerca de 24,23% no capital da empresa de alimentos BRF. Em nota, disse que a operação “visa diversificar os investimentos” do grupo.

Em comunicados, Marfrig e BRF confirmaram as transações, que já haviam sido divulgadas antes na imprensa. O negócio somou 196,68 milhões de papéis, comprados via leilões em bolsa.

LEIA MAIS: Marfrig avança em compras de ações da BRF

“A aquisição visa a diversificar os investimentos da Marfrig em um segmento que tem complementaridades com seu setor numa empresa onde a administração vem realizando uma reconhecida gestão”, disse a Marfrig, a acrescentou que “não pretende eleger membros para o conselho de administração ou exercer influência sobre as atividades da BRF”.

A empresa também disse que não foram celebrados contratos ou acordos sobre direito de voto.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O movimento da Marfrig evidencia a força da divisão da empresa na América do Norte, onde a demanda tem sido forte e os preços do gado, relativamente baixos. Isso impulsionou o preço das ações da empresa em relação às da BRF, cujas margens foram comprimidas pela maior dependência do Brasil.

Os ativos das empresas têm complementaridade, dado o foco da Marfrig em bovinos e, da BRF, em aves e suínos. As duas competem com a rival e líder de mercado JBS, que tem uma base de produção diversificada que inclui vendas de alimentos processados e três tipos de proteínas.

O site Brazil Journal publicou mais cedo que a Marfrig já havia comprado 4,9% do capital da BRF e estava comprando ações adicionais do fundo de pensão Previ, mirando uma fatia de cerca de 20% na empresa.

As ações da BRF, que vinham subindo nos últimos dias em meio a negociações atípicas e elevados volumes, saltaram com as notícias e fecharam em alta de 16,2%, a R$ 23,16.

Já o papel da Marfrig teve queda de 5,2%, a R$ 19,04.

Os frigoríficos brasileiros têm visto os lucros aumentarem nos últimos anos, ajudados pelo fortalecimento da demanda da China, especialmente a partir de 2018, quando uma peste mortal que afeta suínos forçou o abate de milhões de animais, abrindo espaço para importações de empresas estrangeiras.

Nos últimos meses, no entanto, os frigoríficos no Brasil têm enfrentado elevação drástica de custos, à medida que os preços do gado dispararam e os custos dos grãos atingiram níveis recordes, ameaçando encolher suas margens de lucro.

Antes da operação desta semana, as empresas haviam discutido uma possível aquisição da BRF pela Marfrig, mas interromperam as negociações em julho de 2019.

A compra pela Marfrig das ações da BRF foi noticiada primeiramente pelo jornal Valor Econômico. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: