Minério de ferro salta mais de 5% na sessão, mas encerra semana em baixa

 REUTERS/Muyu Xu
REUTERS/Muyu Xu

No terceiro declínio semanal consecutivo, a commodity é impactada pelas preocupações com o controle das cotações

Os contratos futuros do minério de ferro da Ásia saltaram hoje (28), sustentados pela campanha acelerada da China para conter a produção de aço e atingir sua meta de emissão de carbono. Entretanto, os preços tiveram o terceiro declínio semanal consecutivo, já que as preocupações com o controle das cotações persistem.

O minério de ferro para entrega em setembro na Bolsa de Commodities de Dalian subiu 5,2%, para 1.074,50 iuanes (US$ 168,51) a tonelada. O contrato mais negociado, no entanto, caiu mais de 5% até agora nesta semana. O minério de ferro para junho na bolsa de Cingapura avançou 1,6%, para US$ 186 a tonelada.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

As recentes declarações do governo da maior produtora de aço sobre as reformas da capacidade de aço geraram preocupações sobre as perspectivas de oferta restrita, levando os preços a níveis recordes no início deste mês.

Os preços em alta levaram a margens fortes, incentivando os produtores de aço a aumentar a produção e as compras de minério de ferro. Contudo, isso alimentou as preocupações com a inflação, levando as autoridades a alertar contra ganhos de preços “irracionais”.

O preço spot de referência do minério de ferro de 62%, que atingiu um recorde de US$ 232,50 a tonelada em 12 de maio, está agora sendo negociado a cerca de US$ 192.

Os mercados de commodities têm visto um aumento acentuado na volatilidade após o premiê chinês Li Keqiang reiterar sobre a importância de controlar os preços superaquecidos das commodities em uma recente reunião de gabinete, disseram analistas do JP Morgan em uma nota. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).