Nissan e Suzuki Motor devem reduzir produção em junho por falta de chips

A Nissan ficará ociosa por três dias de junho, enquanto a Suzuki ficará inativa em suas três fábricas em Shizuoka de três a nove dias.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Washington Alves
REUTERS/Washington Alves

A Nissan ficará ociosa por três dias de junho, enquanto a Suzuki ficará inativa em suas três fábricas em Shizuoka de três a nove dias

Acessibilidade


A escassez global de chips está forçando a Nissan Motor e a Suzuki Motor a interromper temporariamente a produção em algumas fábricas em junho, disseram à Reuters fontes com conhecimento direto dos planos hoje (21).

A Nissan ficará ociosa em sua fábrica em Kyushu, sul do Japão, por três dias em 24, 25 e 28 de junho, enquanto faz ajustes de produção durante o mês em suas fábricas de Tochigi e Oppama, no Japão, segundo três fontes. A fabricante também suspenderá temporariamente a produção de alguns de seus modelos em sua fábrica no México, acrescentaram.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“Uma escassez global de semicondutores afetou a aquisição de peças no setor automotivo. Devido à escassez, a Nissan está ajustando a produção e tomando as medidas necessárias para garantir a recuperação”, disse um porta-voz da Nissan.

A Suzuki ficará inativa em suas três fábricas em Shizuoka de três a nove dias, de acordo com duas fontes. O plano “não foi confirmado”, informou o porta-voz da Suzuki Motor. Ele explicou que, embora a montadora tenha dado seu plano de produção provisório às montadoras, ela ainda está fazendo ajustes para minimizar o impacto da escassez de chips. (com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: