Pacheco e Lira discutirão fatiamento da reforma tributária com Economia na segunda-feira

A informação foi repassada pelo presidente do Senado durante a reunião do colégio de líderes.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Presidentes do Senado e da Câmara irão se encontrar com o ministro Paulo Guedes na segunda-feira (24)

Acessibilidade


Os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), devem se reunir na segunda-feira (24) com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para discutir o fatiamento e o cronograma da reforma tributária, disse hoje (21) o líder da Minoria no Senado, Jean Paul Prates (PT-RN).

O senador relatou que a informação foi repassada na reunião do colégio de líderes do Senado na manhã de hoje (21) por Pacheco. Ainda segundo Prates, a tendência é de fatiamento da reforma, algo que próprio Executivo já vem defendendo.

LEIA TAMBÉM: Petrobras discute vender fatia na BR ainda este ano por mais de R$ 8 bilhões

Neste caso, explicou, é possível que tramitem no Congresso mais de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), e ainda algumas matérias infraconstitucionais que abordem, por exemplo, a contribuição social, o IPI e ainda projeto de renegociação semelhante ao Refis.

Caso decida-se definitivamente pelo fatiamento da reforma, é provável, de acordo com Prates, que o tema seja discutido em frentes paralelas na Câmara e no Senado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“A tendência é fazer isso se houver fatiamento”, disse.

Todas essas propostas, garantiu o senador, serão discutidas na reunião com a Economia na segunda-feira e posteriormente levadas aos líderes do Congresso, que também têm reunião agendada para a segunda-feira.

ORÇAMENTO

Nessa reunião de parlamentares também deve ser discutida a viabilidade de realização de sessão do Congresso na próxima semana para a análise de vetos presidenciais e também de projeto de lei que suplementa o Orçamento deste ano em quase US$ 20 bilhões.

Prates relatou que o governo ainda enfrenta dificuldades sobre que cortes poderá promover para adequar o Orçamento às demandas parlamentares. O senador citou que na reunião de líderes de hoje (21), houve pedidos de mais recursos para o IBGE, para fundo de Ciência e Tecnologia, para órgãos ambientais como o Ibama e o ICMBio, além de universidades federais.

VEJA MAIS: FMI diz que fim da pandemia é possível a um custo de cerca de US$ 50 bilhões

O líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), apontou dificuldades remanescentes para equacionar o Orçamento na reunião, segundo Prates, e ficou de acenar na próxima semana se houver possibilidade de realização de sessão do Congresso.

O projeto relacionado à lei orçamentária em pauta, o PLN (Projeto de Lei do Congresso Nacional) 4, readequa e suplementa o Orçamento de 2021 em mais de R$ 19 bilhões para o pagamento, em boa parte, de benefícios sociais.

O PLN recompõe o montante a despesas primárias obrigatórias reduzidas durante a tramitação da Lei Orçamentária Anual (LOA) para este ano. Essa recomposição será insuficiente no caso dos benefícios previdenciários, faltando montante de 3,438 milhões em relação à atual estimativa para essa despesa.

Essa diferença poderá ser atendida ao longo do exercício financeiro mediante a abertura de créditos adicionais, empregando dotações orçamentárias bloqueadas entre outros recursos, ou ainda por meio da incorporação de recursos decorrentes de vetos ao Orçamento de 2021.

Mas a votação do PLN esbarra ainda em impasse sobre vetos que trancam a pauta do Congresso. Há polêmica em torno de alguns deles, como o que negou projeto que tratava da garantia de acesso à internet a alunos e professores da educação pública, bancado com R$ 3,5 bilhões do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust).

Dentre os itens da pauta, há ainda o veto parcial a projeto que institui a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais, veto parcial a texto que tratava da compra de vacinas contra a Covid-19 por Estados e municípios, e vetos parciais tanto à proposta que trata da responsabilização civil e da compra de imunizantes pelo setor privado, quanto à que trata da adesão ao consórcio Covax Facility. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: