PMI dos EUA mostra avanço na atividade manufatureira em maio

De acordo com a IHS Markit, a pressão sobre as indústrias em relação à capacidade de produção e à escassez de matéria-prima deve durar até o fim do ano.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Hinterhaus Productions/Getty Images
Hinterhaus Productions/Getty Images

Resultado do PMI foi o mais alto desde que a pesquisa foi expandida para cobrir todas as indústrias, em outubro de 2009

Acessibilidade


A atividade industrial dos Estados Unidos ganhou velocidade no início de maio em meio à forte demanda doméstica, mas os pedidos pendentes estão se acumulando à medida que os fabricantes lutam para encontrar ciências-primas e mão de obra, elevando os custos para empresas e consumidores.

A empresa de dados IHS Markit disse hoje (21) que seu Índice de Gerentes de Compras (PMI , na sigla em inglês) preliminar de fabricação dos EUA subiu para 61,5 na primeira metade deste mês. Essa foi a leitura mais alta desde que a pesquisa foi expandida para cobrir todas as indústrias, em outubro de 2009, e veio após leitura final de 60,5 em abril.

LEIA TAMBÉM: FMI diz que fim da pandemia é possível a um custo de cerca de US$ 50 bilhões

Economistas consultados pela “Reuters” previam que o índice cairia para 60,2 no início de maio. Uma leitura acima de 50 indica crescimento da manufatura, que responde por 11,9% da economia dos EUA.

A demanda mudou de serviços para bens depois que a pandemia de Covid-19 manteve os norte-americanos em casa, causando restrições de oferta. O vírus também atrapalhou a mão-de-obra dos fabricantes e de seus fornecedores, levando uma escassez de matéria-prima em todos os setores.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mais de um terço da população dos EUA já foi vacinada, permitindo a reabertura da economia em geral. Embora esse fator, aliado a quase US$ 6 trilhões em ajuda governamental norte-americano, está liberando a demanda reprimida por serviços, o apetite por produtos continua saudável.

De acordo com a IHS Markit, “as indústrias destacaram que a pressão sobre a capacidade de produção e a escassez de matéria-prima devem durar até 2021”. A empresa observou que a crise de oferta está elevando os custos de produção para as indústrias, que “se esforçaram para repassar o fardo dos custos mais elevados para os clientes”.

A medida de preços pagos pelos produtores da pesquisa IHS Markit atingiu seu nível de nível mais alto desde julho de 2008.

O aperto na aquisição de matérias-primas é mais evidente nas indústrias automobilística e eletrônica, em que a escassez global de semicondutores forçou cortes de produção.

De acordo com a IHS Market, os trabalhos pendentes se acumularam no início deste mês ao ritmo mais rápido em 14 anos.

VEJA MAIS: Zona do euro está otimista com recuperação, mas receosa de ficar atrás de China e EUA

A pesquisa disse que a quantidade de novos pedidos aumentou e que, embora como tenha tido tentado recrutar mais trabalhadores, o ritmo de contratação foi o mais lento em cinco meses.

O PMI preliminar do setor de serviços da IHS Markit subiu para 70,1, máximo desde o início da série, em outubro de 2009, após leitura final de 64,7 em abril.

O PMI Composto preliminar da pesquisa, que acompanha os setores de manufatura e serviços, subiu para 68,1, ante leitura final de 63,5 em abril. (Com Reuters)

 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: