Zona do euro tem recessão confirmada no 1º trimestre de 2021

O Produto Interno Bruto caiu 0,6% em todos os maiores países, com exceção da França.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Yves Herman/Reuters
Yves Herman/Reuters

O PIB caiu 0,6% em todos os maiores países da Zona do euro, com exceção da França

Acessibilidade


A economia da zona do euro contraiu 0,6% no primeiro trimestre de 2021, mostraram dados hoje (18) que confirmaram a recessão técnica, uma vez que o Produto Interno Bruto caiu em todos os maiores países com exceção da França.

A agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, disse que o PIB nos 19 países que usam o euro recuou 0,6% na comparação trimestral no primeiro trimestre, com queda de 1,8% na base anual.

LEIA MAIS: Um terço dos empréstimos corporativos da zona do euro está exposto a riscos climáticos, diz BCE

Os dados ficaram em linha com as estimativas preliminares de 30 de abril. Junto com a queda do PIB no quarto trimestre de 2020, de 0,7% na comparação com o trimestre anterior e de 4,9% sobre o ano anterior, a zona do euro está em sua segunda recessão técnica desde que a pandemia de Covid-19 começou.

As economias de Alemanha, Itália, Espanha e Holanda registraram contrações. A França cresceu 0,4% na base trimestral.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em divulgação separada, a Eurostat mostrou que o superávit comercial não ajustado com o resto do mundo caiu a 15,8 bilhões de euros em março, de 29,9 bilhões em março de 2020.

Ajustado para variações sazonais, o superávit comercial da zona do euro foi de € 13 bilhões em março contra € 23,1 bilhões em fevereiro, uma vez que as exportações caíram 0,3% e as importações subiram 5,6%. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: