Ações de varejistas sobem após vendas melhores do comércio brasileiro em abril

NurPhoto/Getty Images
NurPhoto/Getty Images

No período, as vendas no varejo tiveram alta de 1,8% na comparação com o mês anterior

Ações de varejistas mostravam forte desempenho na bolsa paulista hoje (8) após dados mostrando que as vendas no comércio brasileiro cresceram bem mais do que o esperado em abril e tiveram maior alta em 21 anos para o mês, mesmo em meio às restrições rigorosas ainda impostas pela Covid-19.

Em abril, as vendas no varejo dissipadas alta de 1,8% na comparação com o mês anterior, depois de queda de 1,1% em março, registrando o maior ganho para o mês desde 2000, segundo os dados do IBGE divulgados mais cedo , com o desempenho voltando a ficar acima do nível pré-pandemia.

LEIA TAMBÉM: BC avalia que alta da inflação em economias avançadas pode reverter fluxos para emergentes

O chefe de pesquisa econômica do Goldman Sachs para a América Latina, Alberto Ramos, destacou que as vendas contraíram no primeiro trimestre por causa da pausa no auxílio emergencial, aceleração da informação e novas restrições de mobilidade e atividade em razão da intensificação da pandemia de Covid-19.

“Com maior mobilidade e transferências fiscais renovadas, esperamos que o setor de varejo se recupere no segundo trimestre e se expanda ainda mais no segundo semestre, conjunto com o progresso do programa de vacinação da Covid-19, a reabertura gradual da economia e o estímulo fiscal renovado . ”

Na B3, por volta de 11:50, Via Varejo ON e Magazine Luiza ON figuravam na ponta positiva do Ibovespa, com acréscimos de 3% e 2,45%, respectivamente. Lojas Americanas, B2W, Lojas Renner também avançaram, contra queda de 0,3% do Ibovespa.

Entre os papéis que fazem parte do índice Small Caps, Lojas Marisa ON disparava 7,4%, enquanto Petz ON valorizava-se 4%, Arezzo ON avançava 2,65%, Guararapes ON tinha alta de 2,55% e C&A ON subia 1,4%.

O estrategista-chefe do banco modalmais digital, Felipe Sichel, acrescentou que o mês de abril foi marcado pelo início da reabertura da economia após as restrições impostas em março e pelo retorno do auxílio emergencial, fatores determinantes para a recuperação.

VEJA MAIS: Petrobras afirma que futura transação por fatia na Braskem demanda assessoria financeira

“Após uma surpresa positiva com a atividade no primeiro trimestre, o volume de vendas no varejo indica uma retomada mais forte no segundo trimestre.” (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).