Autoridades do Fed veem em redução de compras alternativa para não subir juros nos EUA

Chris Wattie/File Photo/Reuters
Chris Wattie/File Photo/Reuters

Sede do Fed, Sistema de Reserva Federal norte-americano, localizada em Washington, DC

Duas autoridades locais do Fed (Federal Reserve) afirmaram hoje (21) que uma retirada mais rápida do programa de compra de títulos do banco central norte-americano poderia lhe dar mais margem de manobra para decidir quando aumentar a taxa de juros.

A discussão sobre a rapidez com a qual encerrar o programa mensal de compra de títulos de US$ 120 bilhões do Fed está apenas começando, mas autoridades devem ter em mente como isso afeta o debate que se seguirá sobre a taxa de juros.

LEIA MAIS: Alta dos juros reflete perspectiva econômica mais forte, afirma presidente do Fed de Dallas

“Criar opcionalidades para o comitê será realmente útil e fará parte do debate sobre a redução conforme pensamos sobre o quanto estamos sinalizando acerca da política de juros futura”, disse o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, durante um evento virtual organizado pelo Fórum Oficial de Instituições Monetárias e Financeiras e o Fed da Filadélfia.

As autoridades destacaram algumas das principais questões que os membros do Fed terão de enfrentar ao trabalharem em um teste inicial da nova estrutura estratégica do banco central, em um momento em que a inflação está avançando forte e a recuperação do mercado de trabalho está mais fraca do que o projetado.

O presidente do Fed de Dallas, Robert Kaplan, observou que a estrutura não menciona compras de títulos, que visavam reduzir a taxa de juros e aumentar a demanda. Agora que a demanda está alta e muitos dos principais fatores que limitam o crescimento econômico estão ligados a desequilíbrios de oferta, “moderar isso mais cedo” pode dar ao Fed mais flexibilidade sobre a discussão das taxas.

TER UM DEBATE SAUDÁVEL

Sob a nova abordagem, as autoridades estão dispostas a ultrapassarem a meta de inflação de 2% do Fed por “algum tempo” para atingir uma inflação média de 2% e o pleno emprego. As autoridades precisarão decidir com que nível de inflação sentem-se confortáveis ​​e por quanto tempo irão tolerar uma ultrapassagem da meta do Fed antes de ajustar a política monetária, disse Bullard.

“Qual é o prazo para isso e qual é a magnitude disso?”, questionou. “Acho que é um debate saudável.”

Novas projeções econômicas divulgadas após a reunião monetária da semana passada mostraram que 11 das 18 autoridades do Fed estão traçando duas elevações de pelo menos 0,25 ponto percentual até o fim de 2023, uma mudança em relação a março, quando uma clara maioria das autoridades não favorecia nenhuma mudança nas taxas de juros até 2024.

A inclinação para um início mais rápido do que o projetado de elevações de juros pegou os mercados de surpresa. Kaplan disse que foi uma reação a uma perspectiva econômica que mudou drasticamente entre dezembro e junho.

Em dezembro, a trajetória da pandemia do coronavírus permanecia incerta, disse Kaplan.

“Quando chegamos a março, estava mais claro que conseguiríamos controlar a pandemia”, disse ele. E em junho, a perspectiva teve uma “grande melhora” que fez o núcleo de autoridades esperar aumentos dos juros em 2023, em vez de 2024. “O que você está vendo são os formuladores de política monetária simplesmente reagindo às perspectivas econômicas dramaticamente melhores.” (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).