BCE mantém estímulos fortes mesmo com recuperação a caminho

REUTERS/Ralph Orlowski
REUTERS/Ralph Orlowski

O banco comprou € 80 bilhões em dívida por mês neste trimestre, ante € 62 bilhões no primeiro trimestre

O BCE (Banco Central Europeu) manteve seu estímulo elevado conforme esperado hoje (10), temendo que qualquer recuo agora acelere um aumento já preocupante nos custos de empréstimos e sufoque a recuperação que está a caminho.

A Zona do Euro, composta por 19 países, tem contado com a copiosa impressão de dinheiro do BCE para financiar os crescentes déficits do governo, deixando a economia especialmente vulnerável a qualquer restrição ao apoio à medida que emerge de uma recessão de mergulho duplo induzida pela pandemia.

“As compras líquidas sob o PEPP no próximo trimestre continuarão a ser conduzidas em um ritmo significativamente maior do que durante os primeiros meses do ano”, disse o BCE em comunicado.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O BCE comprou aproximadamente € 80 bilhões em dívida por mês no âmbito do PEPP (Programa de Compras de Emergência da Pandemia) neste trimestre, ante cerca de € 62 bilhões no primeiro trimestre.

A referência do BCE ao primeiro trimestre no comunicado desta quinta-feira, no entanto, também pode significar que poderá reduzir as compras em comparação com o trimestre atual, dando-lhe uma janela de € 62 bilhões a € 80 bilhões para a compra de títulos.

Mantendo sua orientação de longa data, o BCE também disse que o PEPP durará até março de 2022 e que se reservava o direito de comprar menos do que sua cota de compra ou aumentá-la conforme necessário para “manter as condições de financiamento favoráveis”.

“O Conselho do BCE está pronto para ajustar todos os seus instrumentos, conforme apropriado, para garantir que a inflação se mova em direção à meta de forma sustentada, em linha com o seu compromisso com a simetria”, disse o BCE.

O fim das compras de emergência está chegando, no entanto, e as autoridades não devem ampliar o esquema ou estendê-lo além do fim, programado para março de 2022, devido à recuperação sólida da economia, disseram economistas consultados pela Reuters.

Isso pressionará as autoridades a começar a traçar um caminho além das compras de títulos de emergência. As indicações do que pode vir a ser feito devem chegar já em setembro, dizem os economistas.

Como as perspectivas de inflação de médio prazo permanecem moderadas, a diminuição da compra sob o PEPP deve ser acompanhada por uma expansão do mais antigo e menos flexível, mas aberto, Programa de Compra de Ativos do BCE e os sinais de que algum apoio do banco – mesmo que menos generoso – continuará futuramente. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).