Flywire chega a atingir US$ 3,5 bilhões após início de negociação na Nasdaq

Nasdaq
Nasdaq

Depois de ingressar na empresa um ano antes como vice-presidente de desenvolvimento de negócios, Mike Massaro assumiu o comando da Flywire em 2013

As ações da Flywire, uma empresa que ajuda organizações a receber pagamentos em moeda estrangeira, estreou na Nasdaq no dia 26 de maio a US$ 34 cada, acima do preço indicado pelos agentes da oferta – de US$ 24. Os papéis subiram cerca de 4% em seu primeiro dia de negociação, dando à fintech com sede em Boston uma avaliação de cerca de US$ 3,5 bilhões no final do dia. Ontem (1), o papel fechou a US$ 33,82. Como uma empresa privada, a Flywire foi avaliada pela última vez em US$ 1 bilhão após uma rodada de financiamento no início de 2020, de acordo com uma estimativa feita pela PitchBook.

Fundada em 2009 com o nome de peerTransfer pelo empreendedor espanhol Iker Marcaide, a Flywire originalmente visava tornar mais fácil para os estudantes internacionais o pagamento de mensalidades nos EUA sem incorrer em taxas em moeda estrangeira, que poderiam variar de 3% a 5%. Desde então, a Flywire expandiu seus serviços, permitindo que cerca de 2.250 clientes, incluindo universidades, hospitais, provedores de viagens e empresas, aceitassem pagamentos em mais de 130 moedas. Ela adquiriu a startup Simplee, de pagamentos de saúde em Palo Alto, em fevereiro de 2020. Apesar da turbulência do ano passado, a Flywire processou US$ 7,5 bilhões em volume de pagamentos e conseguiu 400 novos clientes, mantendo 97% dos clientes existentes.

VEJA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“Quando me tornei CEO, estávamos sediados apenas nos EUA, tínhamos apenas clientes de educação e apenas um produto. Ver a equipe realmente se tornar global foi incrível. Poucas empresas conseguem fazer isso ”, disse Mike Massaro à Forbes. Depois de ingressar na empresa um ano antes como vice-presidente de desenvolvimento de negócios, Massaro assumiu o comando da Flywire em 2013, quando a empresa tinha 45 funcionários e cerca de US$ 2 milhões em receita. Massaro possui uma participação de 2,8% no negócio, hoje avaliado em cerca de US$ 98 milhões, e lidera uma equipe de 500 pessoas.

As taxas sobre transações, que variam de mensalidades a faturas comerciais, impulsionam a maior parte da receita da Flywire. A receita anualizada da empresa cresceu cerca de 39%, para US$ 131,8 milhões, em 2020, e apenas nos primeiros três meses de 2021 a receita foi de US$ 45 milhões. Dito isso, a Flywire nunca alcançou lucratividade. Ela relatou um prejuízo líquido de US$ 11,1 milhões no ano passado e um prejuízo líquido de US$ 20,1 milhões em 2019. O Ebitda ajustado (lucro ajustado antes de juros, impostos, depreciação e amortização) totalizou US$ 6,2 milhões no ano passado, em comparação com uma perda de US$ 9,7 milhões em 2019.

“Não temos certeza se ou quando obteremos um volume de receita alto o suficiente para sustentar ou aumentar nosso crescimento ou alcançar ou manter a lucratividade no futuro”, escreveu a Flywire em um documento recente à SEC (Comissão de Valores Mobiliários norte-americana).

Massaro permanece confiante: “Estamos realmente confiantes de que a longo prazo, mais de cinco anos, você verá o negócio gerando caixa”, diz ele. Ele também espera um aumento nas viagens internacionais a partir deste verão para impulsionar os negócios da Flywire neste ano, com foco em viagens de lazer e de férias, que ele acredita que serão as primeiras a se recuperar.

O IPO da Flywire está mantendo a chama das fintechs acesa. Um recorde de 11 fintechs vieram a público por meio de IPO (Oferta Pública Inicial) nos primeiros três meses do ano, de acordo com dados da empresa de pesquisa de mercado CB Insights. A Marqeta, uma startup que alimenta cartões de crédito emitidos por empresas, abriu seu formulário de registro inicial em meados de maio, revelando uma receita de US$ 290 milhões para 2020. Mas a maioria dos concorrentes diretos da Flywire permanece privada. A Stripe, empresa de processamento de pagamentos online, se tornou a segunda empresa privada mais valiosa do mundo. A plataforma de transferência de dinheiro Wise, anteriormente conhecida como TransferWise, processa £ 4,5 bilhões (cerca de US$ 6,4 bilhões) em transações internacionais todos os meses.

“A oportunidade nunca foi tão grande para a empresa”, diz Alex Finkelstein, sócio geral da Spark Capital, que apoiou a Flywire há 11 anos.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).