Futuros do minério de ferro saltam na China seguindo força do mercado spot

Georgy Rozov/ EyeEm/Getty Images
Georgy Rozov/ EyeEm/Getty Images

Preços do minério de ferro chegaram a ganhar US$ 6 na bolsa chinesa de Dalian

Os preços de matérias-primas do setor siderúrgico, incluindo minério de ferro, avançaram na China hoje (2), acompanhando uma tendência de alta no mercado spot.

Os futuros mais negociados do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian, para entrega em setembro, encerraram com alta de 2,8%, a 1.169 iuanes (US$ 182,95) por tonelada. Eles chegaram a saltar até 4,8% na sessão, para 1.192 iuanes por tonelada.

LEIA MAIS: Empresas brasileiras foram impactadas por montanha-russa no minério de ferro em maio

Os preços spot do minério de ferro com teor de 62% para entrega na China ganharam US$ 6 ontem (1), fechando a US$ 206,5 por tonelada, segundo a consultoria SteelHome.

Os futuros do carvão coque na bolsa de Dalian subiram 3,6%, para 1.859 iuanes por tonelada, enquanto o coque teve alta de 2,3%, para 2.580 iuanes por tonelada.

“No curto prazo, o mercado ainda está operando com expectativas de alívio nos cortes de produção de produtos siderúrgicos”, escreveram analistas da Huatai Futures em nota.

Notícias na mídia nesta semana disseram que autoridades no pólo siderúrgico chinês de Tangshan têm discutido reduzir restrições à produção de algumas usinas.

Os preços do aço na bolsa de futuros de Xangai também subiram, com o contrato para outubro registrando alta de 0,5%, a 5.002 iuanes por tonelada. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).