Ibovespa abre em alta e dá continuidade a sequência de recordes

O principal índice da Bolsa brasileira abriu em alta hoje (2), na véspera do feriado de Corpus Christi amanhã (3), que fechará os mercados. O Ibovespa subia 0,13%, a 128.427 pontos, após fechar em novo recorde na véspera, impulsionado pelo resultado do PIB (Produto Interno Bruto) do primeiro trimestre. O exterior tem dia de movimentos fracos, à espera da divulgação do Livro Bege nos Estados Unidos.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou hoje a produção industrial de abril, com queda de 1,3%, além do consenso de mercado, que esperava alta de 0,1%. Na comparação anual, a indústria apresentou crescimento de 34,7%, ante expectativa de 37,0%.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

“Em janeiro, tínhamos um saldo de 3,5% acima do patamar registrado em fevereiro de 2020, ou seja, antes da pandemia. Com os resultados de fevereiro, março e abril de 2021, o setor industrial está 1% abaixo daquele patamar”, explicou o gerente da pesquisa, André Macedo. “Isso é reflexo do recrudescimento da pandemia, isolamento e restrições.”

Em dia de avanço do DXY, que mede a divisa norte-americana ante pares no exterior, dólar operava em alta de 0,27% ante o real perto das 9h40, a R$ 5,177, após fechar em queda de 1,5% na véspera.

Os futuros norte-americanos apontam para uma sessão de estabilidade, surfando na onda das reaberturas de diferentes setores da economia. Ainda assim, os investidores estão atentos aos sinais de inflação alta e potencial mudança na política monetária do Federal Reserve. Há a expectativa pelo Livro Bege do Fed, que traz análises da economia de cada um dos distritos, hoje às 15h00.

As Bolsas europeias são negociadas em leve alta, enquanto também aguardam sinais do Fed e do Banco Central Europeu. O bloco do Euro divulgou hoje o IPP (Índice de Preços ao Produtor) de abril, com alta de 7,6% na comparação anual, frente ao patamar anterior de 4,3%.

O Stoxx 600 sobe 0,13%; na Alemanha, o DAX avança 0,01%; o CAC 40, 0,19% na França. Na Itália, o FTSE MIB é negociado em alta de 0,21%; enquanto no Reino Unido, o FTSE 100 opera em alta de 0,14%.

Os mercados asiáticos fecharam mistos. O Hang Seng, de Hong Kong, caiu a 0,58%; o BSE Sensex, de Mumbai, fechou em 0,16% negativos; enquanto no Japão, o índice Nikkei valorizou 0,46%; e na China, o índice Shanghai, decresceu 0,76%.

As commodities também estão no foco do mercado, com o avanço dos preços de matérias-primas do setor siderúrgico na China, incluindo minério de ferro. Os futuros do minério de ferro na Bolsa de Commodities de Dalian encerraram com alta de 2,8%, a US$ 182,95 por tonelada, mas chegaram a saltar até 4,8% na sessão.

Filipe Villegas, estrategista de ações da Genial Investimentos, explica que “temos o petróleo sustentando o seu movimento de alta, seguindo o otimismo em relação à Arábia Saudita, e a perspectiva de um rápido retorno dos barris iranianos, que acabam diminuindo com o passar do tempo”. O petróleo Brent subia 1,14%, a US$ 71,05 por barril, às 8h53 no horário de Brasília, apoiado pela decisão da Opep+ de manter seu plano de aumentar gradualmente a oferta ao mercado e pelo ritmo lento de negociações nucleares entre o Irã e os Estados Unidos.

Na madrugada de hoje, o maior navio da Marinha do Irã afundou após pegar fogo no Golfo de Omã. A tripulação foi resgatada ilesa. Não se deu nenhuma explicação adicional para o incidente mais recente em uma região de rotas marítimas sensíveis, onde já surgiram acusações de ataques a navios de propriedade de Israel, arqui-inimigo do Irã. O Golfo de Omã se conecta com o Estreito de Ormuz, por onde cerca de um quinto do petróleo global circula. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).