Ibovespa opera em queda após Senado aprovar alta de impostos para bancos

Após abrir em alta, acompanhando o mercado norte-americano, o Ibovespa entrou na tarde de hoje (23) em movimento de baixa impulsionado pelo fraco desempenho dos bancos, que foram afetados pela aprovação ontem pelo Senado da Medida Provisória (MP) que aumenta a tributação sobre o lucro de bancos, o CSLL, de 20% para 25% até o dia 31 de dezembro deste ano.

O índice brasileiro registrava queda de 0,14%, aos 128.584 pontos, às 14:50h.

Paulo Whitaker/Reuters

O dólar, que ontem (22) fechou em forte queda e ultrapassou a barreira psicológica dos R$ 5,00, segue em desvalorização e é cotado a R$ 4,953 na venda (-% 0,25) no mesmo horário.

LEIA MAIS: Governo vai incentivar uso eficiente voluntário de energia, diz Lira

Em evento nesta terça com representantes da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a cotação do dólar deve cair ainda mais.

“Então o câmbio agora já está, o equilíbrio possivelmente é bem abaixo do que está. Chegou aí a R$ 5,50, R$ 5,70, R$ 5,80, e possivelmente é bem abaixo, bem abaixo do patamar atual, que pela primeira vez está furando R$ 5,00 para baixo”, disse Guedes.

“Acho que vai descer bem mais na medida em que todo mundo perceber que a política é consistente, é coerente”, complementou o ministro.

Em Wall Street, as declarações feitas ao Congresso pelo presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, na tarde de ontem, continuam repercutindo positivamente. Às 14:50h, S&P 500 e Nasdaq registravam leve alta (0,10% e 0,23%, respectivamente), enquanto Dow Jones tem pequena queda de %0,03.

O mercado americano também reagiu à divulgação do Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) preliminar de manufatura dos EUA, que subiu para 62,6 neste mês. Essa foi a leitura mais alta desde que a pesquisa foi expandida para cobrir todas as indústrias manufatureiras, em outubro de 2009. O dado veio depois de uma leitura final de 62,1 em maio.

A força na atividade industrial impulsionou as expectativas de economistas de um crescimento de dois dígitos no segundo trimestre. Uma maior demanda por bens de consumo em detrimento da busca por serviços, à medida que a pandemia de Covid-19 manteve os norte-americanos em casa, permanece robusta mesmo com a vacinação e trilhões de dólares em auxílio do governo permitindo uma reabertura mais ampla da economia. (Com Reuters)


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).