Lira anuncia criação de comissão especial da reforma administrativa

A reforma teve sua admissibilidade aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, tem reafirmado que a reforma irá abordar apenas servidores que vierem a ingressar no serviço público

Acessibilidade


O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), anunciou hoje (2) a criação de comissão especial que discutirá o mérito da polêmica reforma administrativa.

A reforma, tema de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), teve sua admissibilidade aprovada pela CCJ (Comissão dConstituição e Justiça) da Câmara, primeiro passo no trâmite do texto que mudará regras no serviço público.

LEIA TAMBÉM: Flávio Rocha: Por uma reforma administrativa de fato

“Acabo de anunciar em plenário Ato da Mesa para criação da Comissão Especial da reforma administrativa. Na próxima semana, reunirei todos os líderes para discussão da tramitação do tema”, anunciou Lira no Twitter.

Tanto Lira quanto o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), têm reafirmado que a reforma irá abordar apenas os servidores que vierem a ingressar o serviço público e não irá ferir direitos adquiridos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A PEC altera disposições sobre servidores, empregados públicos e organização administrativa, na intenção de “conferir maior eficiência, eficácia e efetividade à atuação do Estado”.

O relator da proposta na CCJ, Darci de Matos (PSD-SC), apresentou parecer favorável à admissibilidade da PEC e recomendou a retirada de trechos da proposta original. Um deles tratava de impedimento aos servidores de cargos típicos de Estado de exercer qualquer atividade remunerada. O outro previa que o presidente da República pudesse extinguir, transformar ou fundir entidades da administração pública autárquica e fundacional.

Também recomendou ainda a retirada de item que tratava de novos princípios da administração pública como a imparcialidade, a transparência, a inovação, a responsabilidade, unidade, a coordenação, a boa governança pública e a subsidiariedade.

O relator reconheceu que boa parte das polêmicas envolve questões de mérito, a serem discutidas na comissão especial. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: