Pandemia derrubou rentabilidade dos bancos, mas BC vê melhora em 2021

Em dezembro de 2020, o retorno sobre o patrimônio líquido do sistema foi de 11,5%, o menor da série histórica do Banco Central

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Em dezembro de 2020, o retorno dos bancos brasileiros foi de 11,5%, o menor da série histórica do Banco Central

Acessibilidade


A pandemia interrompeu a melhora da rentabilidade do sistema bancário observada desde o fim do período recessivo de 2015 e 2016 ao forçar as instituições a aumentar suas despesas com provisão, apontou o Banco Central em seu Relatório de Economia Bancária, que avaliou o desempenho do sistema financeiro nacional no ano passado.

Em dezembro de 2020, o retorno sobre o patrimônio líquido do sistema foi de 11,5%, o menor da série histórica do BC.

LEIA MAIS: Bancos elevam projeções para Selic com novos riscos de aumento da inflação

“A queda da rentabilidade foi generalizada, afetando bancos de diferentes tipos de controle, porte e segmento de atividade”, afirmou o BC na publicação anual divulgada nesta segunda-feira, ressaltando que, mesmo com o aumento da incerteza decorrente da pandemia, a perspectiva é de melhora da rentabilidade em 2021.

“O reforço de provisões realizado em 2020 reduz a necessidade de novas provisões em montantes relevantes e a retomada da atividade econômica contribui para o crescimento e a qualidade do crédito, além de favorecer a demanda por serviços bancários.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O relatório apontou uma redução da concentração do SFN e afirmou que a queda da fatia de mercado do BNDES (Banco do Brasil, da Caixa e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) foi um fator “importante” nesse processo.

Os cinco maiores bancos — Itaú, Bradesco, Santander, BB e Caixa — responderam por 77,6% do total de ativos do sistema financeiro em dezembro de 2020, ante 81% um ano antes. A concentração dos depósitos totais nessas instituições caiu para 79,1%, ante 83,4% em dezembro de 2019. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: