Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA sobem inesperadamente

REUTERS/Amira Karaoud/File Photo
REUTERS/Amira Karaoud/File Photo

Os pedidos totalizaram 412 mil, ante 375 mil na semana anterior, em primeiro aumento registrado desde o final de abril

O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego aumentou na semana passada pela primeira vez em mais de um mês, mas as dispensas estão diminuindo em meio à reabertura da economia e à escassez de pessoas que querem trabalhar.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizaram 412 mil em dado ajustado sazonalmente na semana encerrada em 12 de junho, contra 375 mil na semana anterior, informou o Departamento do Trabalho hoje (17). Este foi o primeiro aumento registrado no indicador desde o final de abril. Economistas consultados pela Reuters projetavam 359 mil pedidos na última semana.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A economia está ironicamente enfrentando uma crise de no mercado de trabalho, apesar de ter 7,6 milhões de empregos a menos do que seu pico em fevereiro de 2020. A falta de creches está mantendo as pessoas, principalmente mulheres, em casa.

Auxílios-desempregos generosos financiados pelo governo, incluindo um cheque semanal de US$ 300, também têm sido apontados como culpados, bem como a relutância em voltar ao trabalho por medo de contrair a Covid-19 mesmo com as vacinas amplamente acessíveis. Aposentadorias relacionadas à pandemia e transições para novas carreiras também são fatores.

Embora as demissões estejam diminuindo, os pedidos iniciais de auxílio estão bem acima da faixa de 200 mil a 250 mil considerada como consistente com condições saudáveis do mercado de trabalho. Entretanto, eles caíram ante o recorde de 6,149 milhões no início de abril.

Ontem (16), o Federal Reserve manteve sua taxa de juros de curto prazo perto de zero e disse que continuará comprando US$ 120 bilhões por mês para alimentar a recuperação econômica. O banco central dos EUA antecipou suas projeções para a primeira alta de juros pós-pandemia de 2024 para 2023.

O chair do Fed, Jerome Powell, disse a repórteres estar “confiante de que estamos na trajetória de um mercado de trabalho muito forte, um mercado de trabalho que mostra desemprego baixo, participação alta, aumento dos salários para as pessoas em todo o espectro”. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).