Petrobras poderá elevar dividendos ainda em 2021, aponta relatório

Sergio Moraes/Reuters
Sergio Moraes/Reuters

Atualmente, a Petrobras tem como meta atingir dívida bruta de US$ 67 bilhões neste ano e US$ 60 bilhões em 2022, o que permitiria ativar sua política de dividendos com pagamentos adicionais

Acordo fechado entre Petrobras e chinesas no campo de Búzios, no pré-sal da Bacia de Santos, poderá contribuir para que a petroleira atinja meta de endividamento antecipadamente e possa elevar dividendos ainda neste ano, disseram analistas do Credit Suisse, em relatório.

Na sexta-feira (11), a estatal anunciou que receberá de suas sócias em Búzios US$ 2,94 bilhões referentes à compensação total dos investimentos feitos pela brasileira no ativo, como resultado de acordo de coparticipação.

LEIA TAMBÉM: Eneva, Votorantim e AES disputam hidrelétricas da EDP no Brasil

A Petrobras vem afirmando que Búzios é o maior campo de petróleo em águas profundas do mundo. No fato relevante, a empresa apontou mais de 11 bilhões de barris de óleo equivalente (boe) recuperáveis no ativo.

“Vemos o anúncio como positivo para as ações, já que o caixa de curto prazo ajuda a Petrobras a atingir a meta de dívida bruta de US$ 60 bilhões e ative a nova política de dividendos antes do fim de 2021”, disseram em relatório os analistas Regis Cardoso e Marcelo Gumiero, do Credit Suisse.

Atualmente, a Petrobras tem como meta atingir dívida bruta de US$ 67 bilhões neste ano e US$ 60 bilhões em 2022, o que permitiria ativar sua política de dividendos com pagamentos adicionais. No fim do primeiro trimestre, o indicador estava em US$ 71 bilhões .

“Esta política de dividendos, em nossa opinião, pode se tornar um importante catalisador positivo para o caso de investimento da Petrobras.”

Os analistas do Credit Suisse destacaram ainda que o valor a receber das sócias chinesas ficou acima do estimado pelo banco anteriormente, de US$ 2,5 bilhões. Para eles, a empresa provavelmente atingirá sua meta de endividamento no terceiro trimestre deste ano.

O Credit Suisse ressaltou que a Petrobras tinha um caixa de US$ 12,5 bilhões no fim do primeiro trimestre, podendo ainda se desfazer de parte dele para reduzir a dívida.

Outro fator importante para redução da dívida, segundo o banco, é que a Petrobras também anunciou na sexta-feira  (11)que enviou carta à BR Distribuidora pedindo cooperação para a implementação de uma oferta secundária visando a venda de sua participação restante na companhia, de 37,5%.

A venda dos papeis da distribuidora – que ainda não tem data para acontecer – poderia representar 2,3 bilhões de caixa potencialmente ainda em 2021, segundo Credit Suisse.

Em um relatório separado, os analistas Bruno Amorim e Joao Frizo, do Goldman Sachs, também apontaram o acordo em Búzios como positivo, destacando que ele poderia contribuir para alguma redução adicional na dívida bruta da Petrobras.

O acordo tornou-se necessário após a Petrobras, em consórcio com as parceiras CNODC e CNOOC, arrematarem em um leilão em 2019 os excedentes de óleo do contrato da cessão onerosa de Búzios, sob regime de partilha. A petroleira venceu 90% dos volumes, enquanto as chinesas levaram 5% cada.

Os analistas do Credit Suisse pontuaram que esperavam que os volumes excedentes alcançassem cerca de dois terços da reserva total da jazida de Búzios, em oposição aos 73,8% anunciados na sexta-feira (11). O efeito prático, segundo eles, será royalties e lucro em óleo mais elevados. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).