Receita da ByteDance, controladora do TikTok, chega a US$ 34,3 bilhões em 2020

A startup mais valiosa do mundo ainda tem planos para uma abertura de capital em Nova York ou em Hong Kong .

Siladitya Ray
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

A startup foi avaliada em cerca de US$ 140 bilhões em sua última rodada de financiamento, tornando-se a mais valiosa do mundo

Acessibilidade


A controladora do TikTok, ByteDance, mais que dobrou sua receita para US$ 34,3 bilhões no ano passado, segundo o The Wall Street Journal, destacando o rápido crescimento da empresa sediada em Pequim que se tornou a startup mais valiosa do mundo.

De acordo com o WSJ, a empresa compartilhou destaques de seu desempenho financeiro em 2020 com funcionários em um memorando interno, observando que sua receita total cresceu 111% em relação ao ano anterior. A ByteDance teve um prejuízo operacional de US$ 2,1 bilhões, devido a pagamentos aos funcionários por participação acionária na empresa.

VEJA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

No final de dezembro, a empresa tinha cerca de 1,9 bilhão de usuários ativos por mês em todas as suas plataformas, segundo o memorando, sem revelar números individuais para o TikTok ou sua versão chinesa, o Douyin.

Conforme informado anteriormente, a empresa considera planos de abrir seu capital, com listagem das ações em Nova York ou Hong Kong. A ByteDance foi avaliada em cerca de US$ 140 bilhões em sua última rodada de financiamento, tornando-se a startup mais valiosa do mundo. As transações no mercado secundário, no entanto, apontam para uma avaliação ainda mais alta, de US$ 250 bilhões.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As primeiras notícias de que a ByteDance pretende levar alguns de seus principais negócios – incluindo o Douyin – ao mercado surgiram pela primeira vez em abril. Mas os esforços parecem enfrentar alguns obstáculos, já que a empresa não conseguiu apresentar uma estrutura de negócios que agradasse a Pequim e Washington.

A empresa tentava separar as operações do Douyin, com base na China, das operações globais do TikTok em função de uma ordem executiva emitida pelo ex-presidente norte-americano, Donald Trump, que tentou forçar a ByteDance a vender os negócios da TikTok nos EUA. No início deste mês, o presidente Joe Biden revogou a ordem, mas as operações da empresa nos EUA ainda enfrentam uma revisão conduzida pelo Departamento do Tesouro e uma investigação da administração Biden sobre o manuseio de dados dos usuários.

No mês passado, o cofundador da ByteDance, Zhang Yiming, anunciou que deixará o cargo de CEO da empresa no final de 2021. Zhang será substituído pelo chefe de recursos humanos da empresa e colega de faculdade, Liang Rubo. Ao anunciar sua saída em um comunicado interno, Zhang reconheceu que não tinha as habilidades necessárias para ser um gestor ideal. “Estou mais interessado em analisar os princípios organizacionais e de mercado e alavancar essas teorias para reduzir ainda mais o trabalho administrativo, em vez de realmente gerenciar pessoas. Da mesma forma, não sou muito sociável, preferindo atividades solitárias, como estar online, ler, ouvir música e sonhar acordado com o que pode ser possível.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: