Varejista de celulares seminovos Trocafone pede registro para IPO

Djgunner-Getty
Djgunner-Getty

Além de quiosques em shoppings, a Trocafone revende seus produtos em sites incluindo os operados por B2W, Mercado Livre e Amazon

A empresa de compra e revenda de celulares seminovos Trocafone pediu registro para uma IPO (oferta inicial de ações), reforçando a lista de companhias da chamada economia circular que estão buscando recursos no mercado para financiar planos de expansão.

Fundada em 2014, a Trocafone afirma já ter vendido desde então 1,4 milhão de aparelhos eletrônicos seminovos. Criada por Guillermo Freire e por Guillermo Arslanian, a Trocafone recebeu rodadas de investimentos nos últimos anos, passando a ter entre os sócios o Softbank.

LEIA TAMBÉM: XP passa a ver inflação acima de 6% em 2021 com PIB mais forte e dívida menor

Os recursos captados foram empregados na expansão de pontos físicos de negócios (hoje são 19) e para comprar a unidade no Brasil da norte-americana Brightstar, então a única rival direta no país, em janeiro do ano passado.

Segundo o prospecto preliminar da oferta, a companhia teve receita líquida de R$ 50,17 milhões no primeiro trimestre, aumento de 16,3% sobre um ano antes. A margem Ebitda melhorou em 2,6 pontos percentuais, mas seguiu negativa em 3,9%.

Além de quiosques em shopping centers de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia, a companhia revende seus produtos em sites incluindo os operados por B2W, Mercado Livre e Amazon.

Citando estudos do setor, a companhia afirma que o mercado de smartphones seminovos no Brasil movimentou R$ 2,2 bilhões em 2020 e deve chegar a R$ 5 bilhões em 2024.

Segundo a empresa de pesquisa de mercado IDC, citada pela Trocafone no prospecto, em 2020 foram vendidos 3,1 milhões de celulares seminovos no país, ou 7,2% das vendas totais, enquanto no mundo essa fatia foi de 18% do total.

A companhia afirma no documento que pretende usar os recursos da venda de ações novas para atividades de fusões e aquisições, investir em marketing, reforçar o capital de giro, e investir no crescimento do negócio, inclusive com expansão para a América Latina.

A operação, a se liderada por Itaú BBA, BTG Pactual, Goldman Sachs e UBS-BB, servirá também para que atuais sócios -cujos nomes não foram revelados – também vendam uma fatia no negócio.

Em novembro passado, o brechó online Enjoei estreou na bolsa paulista com um IPO de R$ 1,1 bilhão. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).