Volkswagen receberá US$ 351 milhões em acordo com ex-executivos relacionado a escândalo de emissões

O escândalo custou à empresa mais de € 32 bilhões em reparos de veículos, multas e custos judiciais.

Redação
Compartilhe esta publicação:
SOPA Images/Getty Images
SOPA Images/Getty Images

O escândalo custou à Volkswagen mais de € 32 bilhões em reparos de veículos, multas e custos judiciais

Acessibilidade


A Volkswagen anunciou hoje (9) acordo com ex-executivos, que fará com que uma montadora alemã receba 288 milhões (US$ 351 milhões) em compensações relacionadas ao escândalo de fraude em testes de entrega de poluentes.

O acordo veio no mesmo dia em que os promotores de Berlim acusaram o ex-presidente executivo do grupo Martin Winterkorn de dar falso testemunho ao parlamento alemão quando disse que não sabia que uma montadora havia manipulado os testes de motores a diesel antes de se tornarem públicos.

LEIA TAMBÉM: Gol compra aérea MAP por R$ 28 milhões

Winterkorn deixou o cargo em setembro de 2015, uma semana após estourar o escândalo – no qual o grupo admitiu o uso de software ilegal para fraudar testes de motores a diesel nos Estados Unidos.

O escândalo custou à empresa mais de 32 bilhões em reparos de veículos, multas e custos judiciais e estimulou o grupo a lançar um grande investimento em carros elétricos. A empresa fez boletim que atribuiu o escândalo a um pequeno número de engenheiros.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O acordo anunciado nesta quarta-feira consiste principalmente em um pagamento de 270 milhões de seguros de responsabilidade de diretores e executivos (D&O). E ainda precisa ser aprovado na assembleia geral anual do grupo em 22 de julho.

Uma porta-voz de Winterkorn se recusou a comentar as acusações feitas contra ele pelos promotores de Berlim.

A Volkswagen disse no final de março que reivindicaria indenização de Winterkorn e Rupert Stadler, ex-chefe da Audi, por violações do dever fiduciário.

A Volkswagen concluiu que Winterkorn violou seu dever ao não esclarecer completa e rapidamente como consequência por trás do uso de funções de software ilegais em alguns motores a diesel vendidos na América do Norte entre 2009 e 2015.

VEJA MAIS: Plataformas de autopublicação de livros ganham impulso na pandemia

Como parte do acordo, Winterkorn e Stadler pagarão 11,2 milhões e 4,1 milhões, respectivamente.

O ex-membro do conselho da Audi Stefan Knirsch fez acordo para pagar 1 milhão, e o ex-membro do conselho da Porsche, Wolfgang Hatz, vai desembolsar 1,5 milhão, disse a Volkswagen. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: