Wall Street termina o dia em baixa em véspera de payroll

Philip Dumas/GettyImages
Philip Dumas/GettyImages

O ETF EWZ, referência brasileira no exterior, fechou em baixa de 0,95%, a US$ 40,84.

Em Wall Street, os principais índices de ações fecharam em baixa hoje (3), com queda puxada pelos papéis de tecnologia, apesar dos dados positivos divulgados pelo Departamento do Trabalho. Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizaram 385 mil em dado ajustado sazonalmente na semana encerrada em 29 de maio, contra 405 mil na semana anterior.

Os investidores norte-americanos, apostaram ainda na cautela às vésperas do Payroll, relatório sobre o mercado de trabalho no país e um dos principais termômetros da economia dos EUA. Após o fechamento do pregão norte-americano, o Dow Jones caiu a 0,07%; o S&P 500 a 0,36%; e o Nasdaq a 1,03%.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Durante o feriado de Corpus Christi, as negociações na Bolsa brasileira foram suspensas. No exterior, o ETF EWZ, referência do apetite no exterior pelos papéis brasileiros, fechou em baixa de 0,95%, a US$ 40,84.

O índice DXY subiu para uma alta de três semanas nesta quinta-feira, sustentado pelos dados de empregos nos EUA, divulgados no Relatório ADP nesta manhã mais fortes do que o esperado, e sinalizaram que a maior economia do mundo estava se recuperando da pandemia. O indicador fechou em alta de 0,65%, para 90,49 pontos.

Os ADRs das empresas brasileiras, recibos de ações nacionais negociados em bolsas estrangeiras, acompanharam o movimento de queda das Bolsas norte-americanas. Os papéis da Petrobras desvalorizaram 0,18% a US$ 11,28; enquanto os da Vale caíram 1,15% a US$ 22,41; os do Itaú registraram baixas de de 0,16%, a US$ 6,13; e os do Bradesco se mostraram queda de 1,21% a US$ 5,41.

Os preços do petróleo ficaram estáveis hoje, após dois dias consecutivos de ganhos que levaram seus principais contratos futuros a máximas não vistas em um ano. Hoje, os futuros do Brent para entrega em agosto caíram 0,3%, para US$ 71,12 o barril, após atingir sua maior alta desde setembro de 2019, a US$ 71,99, no início da sessão.

A desaceleração nas negociações entre os Estados Unidos e o Irã sobre o programa nuclear de Teerã também foi um fator de interferência para a cotação do petróleo. Os EUA esperam ter uma sexta rodada de negociações indiretas sobre a retomada do acordo nuclear com o Irã e preveem que as negociações se estendam a outras rodadas subsequentes. A decisão reduziu as expectativas de um retorno do fornecimento de petróleo iraniano ao mercado este ano. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).