Aluno de física viajará com Jeff Bezos em 1º voo de turismo espacial

Segundo a empresa do bilionário, Blue Origin, Oliver Daemen foi escolhido após ganhador de leilão anunciar que não poderá participar da viagem rumo ao espaço.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Clodagh Kilcoyne/Reuters
Clodagh Kilcoyne/Reuters

Estudante de física se torna o primeiro cliente comercial da empresa Blue Origin, fundada pelo bilionário Jeff Bezos

Acessibilidade


Um estudante de física de 18 anos cujo pai comanda uma empresa de administração de investimentos deve assumir o lugar de uma pessoa que deu US$ 28 milhões em um leilão para participar do voo inaugural de turismo espacial da empresa Blue Origin do bilionário Jeff Bezos.

A Blue Origin disse hoje (15) que Oliver Daemen se juntará à tripulação de quatro membros civis no voo marcado para terça-feira (20) porque o vencedor do leilão, cujo nome não veio a público, desistiu devido a “compromissos conflitantes”. Daemen se torna o primeiro cliente comercial da empresa.

LEIA TAMBÉM: Blue Origin, de Jeff Bezos, fará história com voo espacial civil e sem piloto

Com sua inclusão, o voo deve contar com a pessoa mais jovem a ir ao espaço e também a mais velha –neste caso Wally Funk, aviadora pioneira hoje com 82 anos, de acordo com a Blue Origin. Os irmãos Jeff e Mark Bezos os acompanharão no lançamento suborbital.

Daemen está trabalhando para obter seu brevê de piloto e deve ir à Universidade de Utrecht, na Holanda, para estudar física e administração de inovação em setembro, informou a Blue Origin. Ele é filho de Joes Daemen, presidente-executivo e fundador da Somerset Capital Partners.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Daemen pai “pagou pelo assento e escolheu enviar Oliver”, disse a Blue Origin, sem querer informar o quanto foi desembolsado.

Bezos está envolvido em uma corrida com os rivais bilionários Richard Branson e Elon Musk, que almejam inaugurar uma nova era de voos espaciais comerciais em um mercado turístico que o banco suíço UBS estima poder valer US$ 3 bilhões anualmente em uma década. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: