BIS e FMI pedem coordenação global sobre moedas digitais de bancos centrais

Cerca de 90% das instituições financeiras centrais do mundo estão atualmente procurando criar suas próprias criptomoedas.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Arnd Wiegmann/Reuters
Arnd Wiegmann/Reuters

Em conjunto, BIS e FMI pediram a cooperação de bancos centrais para a criação de moedas digitais próprias

Acessibilidade


O BIS (Banco de Compensações Internacionais), o FMI (Fundo Monetário Internacional) e o Banco Mundial fizeram um pedido conjunto hoje (09) para cooperação global sobre moedas digitais de bancos centrais.

Cerca de 90% dos bancos centrais do mundo estão atualmente procurando criar versões digitais de suas moedas, levantando questões sobre como irão trabalhar e operar entre si.

LEIA TAMBÉM: Por dentro da filosofia filantrópica de MacKenzie Scott

“As CBDCs (moedas digitais de bancos centrais) oferecem a oportunidade de um novo começo. É extremamente importante que os bancos centrais levem em conta a dimensão internacional”, disse Jon Cunliffe, chair do Comitê de Infraestruturas de Pagamentos e Mercado e vice-presidente para a Estabilidade Financeira do Banco da Inglaterra, em relatório preparado para a reunião do G20 na Itália.

“As implicações das CBDCs, mesmo que destinadas apenas para uso doméstico, irão além das fronteiras”, acrescentou Tobias Adrian, Conselheiro Financeiro e Diretor do Departamento de Mercado Monetário e de Capitais do FMI.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O relatório disse que a facilitação de pagamentos internacionais com as CBDCs pode ser alcançada por meio de diferentes graus de integração e cooperação, que vão desde a compatibilidade básica com padrões comuns até o estabelecimento de infraestruturas de pagamentos internacionais.

A interoperabilidade será crucial, enquanto a colaboração multilateral também será necessária sobre as potenciais consequências macrofinanceiras que as moedas digitais do banco central podem causar, acrescentou o relatório. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: