Comissão aprova bases do Orçamento de 2022 com déficit de R$ 170 bilhões e fundo eleitoral recorde

O texto deverá ser votado pelos plenários da Câmara e do Senado ainda hoje.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

Moedas de um real

Acessibilidade


A CMO (Comissão Mista de Orçamento) aprovou hoje (15) a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) com a previsão de um déficit de R$ 170,47 bilhões para os Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União (Governo Central) e um fundo eleitoral inflacionado para R$ 5,7 bilhões.

O texto deverá ser votado pelos plenários da Câmara e do Senado ainda hoje, com sessões das duas Casas convocadas para esta tarde.

LEIA MAIS: Comissão de Orçamento do Congresso aprova parecer preliminar da LDO para 2022

O texto final da LDO, depois da rejeição de uma série de destaques pela CMO, manteve a previsão das chamadas emendas do relator, em que o relator do Orçamento – que ainda será enviado pelo governo em agosto – pode remanejar verbas previstas para ministérios para projetos indicados por parlamentares, o que amplia o poder da base do governo no Congresso.

Apesar das críticas feitas por alguns parlamentares de oposição na CMO, a previsão foi mantida.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Outro ponto de crítica foi a ampliação dos recursos previstos para o fundo eleitoral, destinado aos partidos para financiamento de campanhas eleitorais, que chega a 5,7 bilhões. Em 2020, ano de eleições municipais, o fundo ficou em 2 bilhões, depois da repercussão negativa da previsão inicial, de 4 bilhões.

O texto ainda garante recursos para a realização do Censo nacional em 2022. O levantamento nacional, que deveria ter sido feito em 2020, foi cancelado este ano por corte dos recursos previstos inicialmente. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: