Confiança de serviços no Brasil tem em julho máxima desde 2014, diz FGV

Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Consumidores fazem compras em rua comercial de São Paulo

A confiança do setor de serviços do Brasil chegou em julho ao maior nível em mais de sete anos, com melhora tanto pelas expectativas quanto pela avaliação sobre a situação atual.

Os dados divulgados hoje (29) pela Fundação Getulio Vargas (FGV) mostraram que o Índice de Confiança de Serviços (ICS) saltou 4,2 pontos em julho, para 98,0 pontos, maior nível desde março de 2014 (98,3 pontos).

LEIA TAMBÉM: Compass fecha acordo para comprar fatia da Petrobras na Gaspetro por R$ 2,03 bilhões

“A confiança de serviços avançou pelo quarto mês consecutivo, superando o nível pré-pandemia e retornando ao patamar mais alto desde 2014”, disse em nota Rodolpho Tobler, economista da FGV Ibre.

Segundo a FGV, o Índice de Situação Atual (ISA-S), indicador da percepção sobre o momento presente do setor de serviços, avançou 1,7 ponto e foi a 90,4, mesmo patamar de fevereiro de 2020, portanto a nível pré-pandemia.

Já o Índice de Expectativas (IE-S), que reflete as perspectivas para os próximos meses, teve alta de 6,5 pontos, a 105,6 pontos, maior nível desde novembro de 2012. Além disso, voltou a ficar acima dos 100 pontos, o que, segundo Tobler, sugere um certo otimismo com o curto e médio prazo.

O volume de serviços brasileiro avançou 1,2% em maio sobre abril, dando sinais de aquecimento com alta recorde para o mês de maio e ficando 0,2% acima do patamar pré-pandemia, segundo dados do IBGE. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).