Escassez de chips para carros vai diminuir, mas crise deve atingir smartphones

Andriy Onufriyenko/Getty Images
Andriy Onufriyenko/Getty Images

A oferta para o setor automotivo pode melhorar, enquanto a China ocupa parte da demanda que Taiwan não conseguiu atender

A escassez de semicondutores que atingiu o mundo pode durar até 2022 e atingir a produção de smartphones em seguida, prenunciando o fornecimento deficiente para uma variedade de eletrodomésticos e equipamentos industriais, disseram executivos da indústria e um economista.

O setor automotivo foi o que mais sofreu este ano, mas a oferta para o setor pode melhorar relativamente em breve, enquanto a China ocupa parte da demanda de produção que Taiwan não conseguiu atender, disse a economista-chefe do ING para a China continental, Iris Pang, ao Reuters Global Markets Forum esta semana.

As empresas taiuanesas de semicondutores aumentaram a produção na China após sofrerem apagões e com as medidas de distanciamento social que interromperam a produção e prejudicaram operações portuárias em Taiwan, disse.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“A China ganhou 5% com a escassez de chips em termos de PIB – as empresas de semicondutores de Taiwan planejaram bem e construíram grandes fábricas na China continental”, disse Pang, prevendo que os fabricantes de smartphones serão o próximo segmento a enfrentar interrupções.

“As empresas taiuanesas estão fabricando chips para automóveis, então a escassez de chips deve ser resolvida em algumas semanas, mas o problema de falta de microprocessadores para outros eletrônicos persiste”, disse Pang, acrescentando que isso pode atrasar o lançamento de alguns novos modelos de smartphones.

A ASML, um dos maiores fornecedores mundiais de fabricantes de semicondutores, aumentou perspectivas de vendas esta semana devido a encomendas fortes, já que gigantes de chips como TSMC e Intel correram para aumentar a produção.

A crise de oferta mais ampla pode durar até o segundo trimestre de 2022, disse Adam Khan, fundador da AKHAN Semiconductor, embora tenha notado que esse cronograma é “ambicioso”.

Andrew Feldman, presidente-executivo da startup de chips Cerebras Systems, concorda com essa visão, dizendo que os fornecedores estão citando prazos de entrega de até 32 semanas para novos chips e componentes.

Pang, do ING, disse que mesmo os mineradores de criptomoedas estão procurando maneiras de reciclar chips “usados”, o que implica que a escassez não está acabando.

A maior demanda por chips, alimentada por compras pontuais para atender às necessidades de trabalho em casa e a demanda contínua por smartphones e outros eletrônicos, deve estimular o investimento e o crescimento no setor.

A indústria de chips pode crescer entre 21% a 25% em 2021, com “os eletrônicos tendo seu melhor desempenho desde 2010”, disse Dan Hutcheson, presidente-executivo da VLSI Research, que é focada em semicondutores. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).