Finanças pessoais: especialistas explicam qual é o melhor momento para sair de um investimento

Getty Images
Getty Images

Os critérios na hora do desinvestimento podem variar conforme os objetivos de cada pessoa e tipo de ativo

Richard Thaler, ganhador do Nobel de Economia, afirmou em um Congresso da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) de 2020 que o aumento exponencial de investidores na Bolsa norte-americana poderia gerar alguma preocupação para os especialistas. “(…) É necessário muito cuidado, porque resultados bons nos últimos seis meses não te tornam um gênio dos investimentos. Você será um gênio se souber a hora de vender”, disse.

No Brasil, o número de investidores pessoa física na Bolsa brasileira, a B3, cresceu 92% em 2020. Neste ano, os CPFs cadastrados somavam 3,7 milhões em maio, uma alta de 50,2% na comparação com o mesmo período do ano passado.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Avaliar o momento de venda de um ativo, portanto, pode ser um grande desafio para a grande maioria dos investidores. Ana Leoni, especialista em comportamento financeiro, orienta que o investidor que não tem a capacidade de identificar e analisar eventos dos mercados, deve focar em seus próprios objetivos, “a variável mais importante de quem investe para realizar os projetos de vida são os objetivos”.

“[O objetivo] é a variável que você tem controle e que daí você pode reavaliar os seus investimentos a partir de mudanças nela, mas tentar precisar o ponto certo para entrar ou sair, isso é muito frustrante”. Ela reforça também que essa é uma prática que precisa ser habitual, pois o mercado e a nossa vida são dinâmicos, “a gente não pode fazer investimento e não avaliar, de tempos em tempos, para ver se aquilo está alinhado com os nossos interesses”.

Para Gabriela Mosmann, analista de investimentos da Suno Research, mais simples do que se perguntar sobre o momento de vender um ativo, é entender o motivo de sua compra. “Primeiramente, é preciso entender o motivo da compra do ativo, para então definir como acompanhá-lo no mercado, definir critérios, uma tese de investimento, e então avaliar o momento da venda”, explica.

Uma vez identificados os objetivos com um investimento, é necessário estudar os ativos

Gabriela julga ser importante dar um passo atrás e estudar um ativo antes de investir, entendendo alguns critérios, como: saber o que é uma ação; uma ação de dividendos; uma ação de crescimento; o que são os FIIs; os tipos de FIIs; a renda fixa; os fundos de investimento; etc.

A analista conta que existem estratégias diferentes para cada tipo de ativo, “mesmo em ações, existem empresas de dividendos e small caps [empresas menores, mas com potencial de crescimento]. Enquanto na renda fixa, o investidor pode, por exemplo, investir porque quer fazer uma viagem e proteger o dinheiro da inflação, o que exige um tipo específico de ativo”.

“É um checklist bem simples, com um ou dois meses de estudo, para dar uma olhada antes de decidir, colocar no papel o que é cada investimento, porque quer investir nele, o que é possível conseguir dele. [Isso] vai tornar o processo muito mais claro e mais fácil para definir quais ativos o investidor quer na carteira, e a partir daí o investidor vai conseguir enxergar de cara o porquê vender e quando vender, vai ser muito mais fácil e tranquilo”, conclui.

Avaliando o mercado

Outra maneira, mais objetiva, de avaliar o momento de venda de um ativo financeiro, é se orientar pelos fatores do mercado. Os critérios podem variar conforme o tipo de investimento, já que cada um opera de uma forma diferente. Ao estudar o ativo em si, Ana Leoni lembra que o ideal, para o mercado de ações, é respeitar o preço-alvo de cada papel.

“As casas de análises, por exemplo, lançam um relatório informando suas expectativas para determinado papel, ‘a gente acredita que a ação do banco A ou da empresa B tem um preço e uma perspectiva de subir tantos % em tanto tempo’, e o ideal seria que os investidores respeitassem esse valor.”

A especialista reforça ainda ser preciso cautela para realizar qualquer movimento no mercado, pois ele exige uma lógica muito racional, “quando envolve as pessoas, trazemos a emoção, e nem sempre, quando colocamos a emoção na mesa, as coisas funcionam dessa forma”.

Com relação aos fundos de investimento, a especialista coloca como critério o comportamento do gestor. “Se ele está cumprindo a sua política de investimento e dando o retorno esperado, o momento de sair é quando você precisar daquele dinheiro para o objetivo que você traçou no momento em que investiu”.

Por último, para os títulos prefixados, o ideal é manter o investimento até o vencimento do ativo, para conseguir a quantia que foi acordada na hora da compra. “São gatilhos que precisam ser considerados para a venda do ativo, mas o mais importante mesmo é o objetivo que foi traçado no momento do investimento”.

Gabriela Mosmann também traz outros critérios na hora de avaliar o mercado. “Para acompanhar uma empresa não adianta apenas olhar para os números de balanços e dados históricos, porque os dados passados não são garantia do futuro. Então, é muito importante você conseguir acompanhar o ambiente mundial de negócios para ver tendências”.

A analista reforça que não é preciso saber avaliar criticamente tudo, é possível pedir a opinião de um especialista, “ninguém consegue acompanhar todos os investimentos e todos os setores, e tudo bem, você precisa focar na sua carteira e no que é interessante para a própria carteira, porque será possível entender melhor a dinâmica desse mercado”.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).