Gabinete da China diz que usará cortes de compulsório para sustentar economia real

Kim Kyung-Hoon/Reuters
Kim Kyung-Hoon/Reuters

China quer reduzir os custos de financiamento dos bancos como forma de ajudar as pequenas empresas do país

A China usará cortes oportunos na taxa de compulsório dos bancos para sustentar a economia real, especialmente pequenas empresas, disse o gabinete hoje (7).

O PBOC (Banco do Povo da China) tem reduzido gradualmente o estímulo da pandemia para conter os riscos de dívida, mantendo baixos os custos dos empréstimos e dizendo aos bancos para manterem o apoio às pequenas empresas.

LEIA MAIS: Expansão de serviços da China tem mínima de 14 meses em junho, mostra PMI do Caixin/Markit

A China vai “usar ferramentas de política monetária, incluindo cortes de compulsório, em tempo hábil para aumentar ainda mais o apoio financeiro para a economia real, especialmente as pequenas empresas”, disse o gabinete em comunicado após uma reunião regular.

A China vai reduzir os custos de financiamento para pequenas empresas buscando ajudá-las a lidar com a alta dos preços de commodities, disse o gabinete.

O país ainda vai manter sua política monetária estável enquanto aumenta a efetividade dela, mas não recorrerá a estímulos exacerbados, acrescentou.

Wen Bin, economista sênior do Minsheng Bank, disse esperar que o banco central revele cortes de compulsório direcionados para bancos menores, para encorajá-los a emprestar mais dinheiro a pequenas empresas.

“Há espaço para cortar o compulsório, o que ajudará a liberar fundos de longo prazo e estimulará os bancos a reduzir os custos de financiamento”, disse ele.

A última vez que o banco central cortou o compulsório — quantidade de dinheiro que os bancos precisam manter como reserva — foi em abril de 2020, em uma tentativa de sustentar a economia prejudicada pela Covid-19.

LEIA MAIS: China compra menos e exportação brasileira de carne bovina cai no semestre

A economia da China, a segunda maior do mundo, está desacelerando de um crescimento recorde de 18,3% no primeiro trimestre, quando a leitura foi altamente distorcida devido aos efeitos de base de comparação com o início de 2020. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).