Ibovespa descola do exterior e opera em queda

O Ibovespa opera em queda no início do pregão de hoje (20), com recuo de 0,41%, a 123.879 pontos perto das 10h12, horário de Brasília. Na contramão, os mercados globais têm um movimento de recuperação, após forte realização de lucros na véspera diante de preocupações com a variante Delta e o ritmo da recuperação econômica global. No Brasil, os investidores voltam a atenção para o início da temporada de balanços, que trará indicativos importantes sobre a recuperação da economia do país.

Sobre as quedas de ontem, Pietra Guerra, especialista em ações da Clear Corretora, avalia que: “estávamos vendo as bolsas americanas atingindo máximas históricas recorrentemente, por isso, é natural um movimento de queda para que tenha uma correção.”

Já Filipe Villegas, estrategista de ações da Genial Investimentos, avalia que os ativos como ações, Bolsas e commodities apresentam um movimento de recuperação hoje, mas ainda com sinais de fragilidade. “Acreditamos que estamos diante de uma realização de lucros pontual, muito difícil dizer qual vai ser o tamanho dela, mas isso vai depender muito do que encontraremos em termos de notícias. Ao mesmo tempo que vejo esse clima mais negativo, talvez a nossa única saída seja a temporada de balanços, ou o bom humor do investidor global.”

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A Neoenergia e a Indústrias Romi divulgam ainda hoje seus demonstrativos financeiros relativos ao segundo semestre, dando início a uma nova temporada de balanços no Brasil. Enquanto isso, a Vale reportou ontem sua prévia operacional do semestre, com produção de 75,7 milhões de toneladas de minério de ferro no segundo trimestre, alta de 12% ante o mesmo período do ano anterior, avançando em seu plano de retomada e estabilização operacional. As vendas de minério de ferro subiram 23,1%, com a forte demanda chinesa para a produção de aço.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta terça-feira, em entrevista à Rádio Itatiaia, que o novo Bolsa Família terá valor médio de R$ 300, acima dos R$ 250 previstos inicialmente pela equipe econômica. Segundo o presidente, o novo valor será pago a partir de novembro deste ano, como era esperado. Ontem (19), em entrevista à TV Brasil, o presidente disse que não sancionará o fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões, aprovado pelo Congresso Nacional na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias).

O dólar avança frente ao real nos primeiros negócios de hoje, dando continuidade a disparada da véspera. Às 10h12, o dólar era negociado em alta de 0,42%, a R$ 5,2724.

Nos Estados Unidos, os futuros dos principais índices de ações do país indicam abertura em alta, seguindo o movimento de recuperação do mercado global. Jansen Costa, sócio da Fatorial Investimentos, explica que o medo da nova variante tende a retardar, no curto prazo, a recuperação econômica, “mas ao longo do tempo, voltaremos a olhar para a questão do crescimento, dado que os gráficos, principalmente nos EUA, mostram que o medo da inflação não está determinado na taxa de juros do título de dez anos, já que ele tem caído”.

As ações europeias operam em alta nesta segunda-feira, em um movimento de recuperação, após a queda no preço dos ativos no dia anterior devido a incertezas quanto à recuperação econômica. O índice Stoxx 600 sobe 0,40%; na Alemanha, o DAX avança 0,28%; enquanto o CAC 40 valoriza 0,77% na França; na Itália, o FTSE MIB é negociado em alta de 0,07%; e o FTSE 100 cresce 0,39%, no Reino Unido.

Na Ásia, as Bolsas fecharam em queda, reagindo ao movimento de realização de lucros da véspera. O índice Shanghai, da China, caiu 0,07%; o Hang Seng, de Hong Kong, desvalorizou 0,84%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou em queda de 0,68%; enquanto no Japão, o índice Nikkei recuou 0,96%.

Os contratos futuros de matérias-primas siderúrgicas negociados na bolsa de commodities de Dalian, na China, avançaram nesta terça-feira. O contrato mais ativo do carvão metalúrgico, para entrega em setembro, chegou a subir 3,2%, a 2.098 iuanes (US$ 323,54) por tonelada, maior patamar desde 13 de maio, e terminou a sessão em alta de 2,0%, a 2.074 iuanes por tonelada. Enquanto a referência do minério de ferro na bolsa de Dalian fechou em alta de 0,3%, a 1.233 iuanes por tonelada.

Os preços do petróleo operam em queda nesta terça-feira após caírem quase 7% na sessão anterior, em meio a preocupações sobre o ressurgimento de infecções de Covid-19, no momento em que países produtores fecharam um novo acordo de aumento na oferta global da commodity. Por volta das 9h45, o petróleo Brent caía 0,26%, para negociação a US$ 68,44 por barril, enquanto o WTI, recuava 0,15%, a US$ 66,25 o barril.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).