Ibovespa opera em alta, apesar de recuo em prévia do PIB

O dólar recua frente o real diante de preocupações com a política monetária norte-americana.

Iasmin Paiva
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em alta na abertura do pregão de hoje (14), com avanço de 0,71%, a 129.076 pontos, às 10h10, horário de Brasília. Os mercados reagem à inflação dos Estados Unidos, que divulgou o índice de preços ao produtor nesta manhã, enquanto investidores esperam o depoimento do presidente do Federal Reserve nesta tarde. No Brasil, a prévia do PIB de junho, a reforma tributária na Câmara, e a instabilidade política com a CPI da Covid-19, seguem no radar dos investidores.

O IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), considerado uma prévia do PIB, registrou queda de 0,49% em maio na comparação com o mês anterior, abaixo da expectativa de avanço de 1,00% no período, segundo consenso de economistas do Refinitiv. Na comparação anual, o índice teve salto de 14,21%, e apresentou ganho de 1,07% no acumulado em 12 meses.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Também hoje, o Ministério da Economia elevou sua projeção do PIB (Produto Interno Bruto) para este ano a 5,3%, e ainda aumentou a estimativa de inflação a 5,90%, nível acima do teto da meta para o período, de acordo com boletim divulgado pela Secretaria de Política Econômica. O boletim anterior, de maio, projetava o crescimento do país em 3,5% e inflação de 5,05% para 2021.

O dólar cede terreno frente ao real, com os mercados em busca de pistas sobre o futuro da política monetária dos Estados Unidos. Às 10h10, o dólar caia 1,45%, a R$ 5,1048.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os índices futuros das Bolsas norte-americanas indicam abertura em alta, com o mercado ainda digerindo os dados sobre a inflação ao consumidor divulgados ontem, que atingiu o maior patamar desde 2008 em junho, acumulando alta em 12 meses de 5,4%. Hoje, os números da inflação ao produtor reforçam o contexto de preços elevados no país: o índice subiu 1% no último mês, número acima dos 0,6% esperados por especialistas.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, apresenta hoje o relatório de política monetária no Congresso norte-americano. O Fed também divulga o Livro Bege, no qual a autarquia traz análises da economia de cada um dos distritos do Banco Central dos EUA.

Com os dados de inflação ao produtor e consumidor, Pablo Spyer, economista-sócio da XP Investimentos, explica que a fala do presidente Jerome Powell é muito aguardada, “todo mundo quer saber se ele vai manter um discurso suave e despreocupado com a inflação”. “Os investidores norte-americanos começam a se questionar até quando o Banco Central do país vai manter essa política forte de estímulos monetários nos EUA”, conta.

As ações europeias operam em queda, após o relatório de inflação dos EUA e dados sobre a produção industrial na Zona do Euro. O indicador industrial do bloco registrou queda de 1% em maio na comparação com o mês anterior, enquanto a previsão do mercado era de recuo de 0,1%.

O Stoxx 600 opera em queda de 0,25%; na Alemanha, o DAX cai 0,09%; enquanto o CAC 40 desvaloriza 0,20% na França; na Itália, o FTSE MIB é negociado em alta de 0,08%. Enquanto o FTSE 100 recua 0,48% no Reino Unido, após a inflação ao consumidor registrar alta de 0,5% na comparação mensal, acima dos 0,2% esperados pela pesquisa da agência Reuters.

Os mercados asiáticos fecharam majoritariamente em baixa, também reagindo à inflação nos EUA. O Hang Seng, de Hong Kong, caiu a 0,63%; o BSE Sensex, de Mumbai, fechou com alta de 0,25%; enquanto no Japão, o índice Nikkei desvalorizou 0,38%; e na China, o índice Shanghai, recuou 1,07%.

Os contratos futuros do minério de ferro negociados na China avançaram nesta quarta-feira, enquanto a referência da commodity em Singapura recuou, pressionada por preocupações com as perspectivas de demanda na China, maior produtora global de aço. O contrato mais negociado do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian, para setembro, fechou em alta de 0,8%, a 1.219,50 iuanes (US$ 188,36) por tonelada.

Os preços do petróleo operam em alta nesta quarta-feira, após a Arábia Saudita e os EAU (Emirados Árabes Unidos) chegarem a um acordo sobre o pacto de oferta de petróleo da Opep+, concedendo aos EAU um nível-base de produção mais alto. O patamar-base para o país será de 3,65 milhões de barris por dia após o vencimento do atual acordo da Opep+, em abril de 2022. Por volta das 9h55, o petróleo Brent subia 0,24%, a US$ 76,67 o barril, enquanto o WTI avançava 0,17%, a US$ 75,38 o barril. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: