Negócios de Donald Trump arrecadaram US$ 2,4 bilhões durante sua presidência

Jamel Toppin/Forbes
Jamel Toppin/Forbes

Mesmo com perdas, receita dos negócios são mil vezes maior do que salário anual doado pelo ex-presidente dos Estados Unidos

Em abril de 2017, o então secretário de imprensa dos Estados Unidos, Sean Spicer, subiu ao pódio na sala de reuniões da Casa Branca e anunciou que o presidente estava doando seu salário do primeiro trimestre ao Serviço Nacional de Parques. Com uma expressão séria no rosto, Spicer puxou um cheque enorme com uma assinatura enorme. Foi o primeiro de vários cheques que Donald Trump assinou enquanto estava no cargo, dando seu salário de US$ 400 mil por ano em troca de boa publicidade.

A quantia era um trocado para Trump. Seu dinheiro real vinha dos seus negócios (ele se recusou a desinvestir), não de seu salário no governo. Uma análise de documentos, alguns dos quais só se tornaram públicos nas últimas semanas, mostra o quanto os negócios de Trump arrecadaram enquanto ele estava no cargo. Vasculhe tudo – incluindo registros de propriedade, declarações de ética, documentos de dívida e registros de títulos – e você encontrará cerca de US$ 2,4 bilhões em receita de janeiro de 2017 a dezembro de 2020.

LEIA MAIS: Facebook suspende conta de Trump até 2023

Se não fosse pela pandemia, teria ainda mais. Os negócios de Trump geravam cerca de US$ 650 milhões anualmente durante os primeiros três anos de sua presidência. Mas em 2020, as receitas caíram para cerca de US$ 450 milhões quando a Covid chegou. “Isso está me prejudicando, e está prejudicando o Hilton, e está prejudicando todas as grandes redes de hotéis em todo o mundo”, disse Trump em uma coletiva em março de 2020, na Casa Branca. “Está prejudicando a todos. Quero dizer, existem muito poucos negócios que estão indo bem agora.”

A maior parte da receita de Trump fluiu por meio de seus clubes e propriedades de golfe, que geraram aproximadamente US$ 940 milhões em quatro anos. O Trump National Doral, um resort de golfe em Miami, contribuiu com cerca de US$ 270 milhões. Mar-a-Lago, o clube de Trump em Palm Beach, também na Flórida, arrecadou cerca de US$ 90 milhões. Um clube de golfe em Nova Jersey, onde o ex-presidente tem se hospedado neste verão, arrecadou cerca de US$ 60 milhões. Nem todo esse dinheiro acabou no bolso de Trump, no entanto. A administração dos clubes de golfe e dos resorts é cara, com margens de lucro operacional de 20% em tempos de bonança. Durante a pandemia, os campos tradicionais de Trump se saíram razoavelmente bem, mas seus resorts de golfe tiveram que lidar com longos períodos de paralisação, fazendo com que suas receitas gerais de golfe e clubes caíssem 27%, para cerca de US$ 190 milhões em 2020.

Felizmente para Trump, ele também tinha participações em imóveis comerciais para reforçar seus resultados financeiros. Isso se provou especialmente importante em 2020, uma vez que os inquilinos comerciais – muitos presos a contratos de longo prazo – continuaram a pagar o aluguel. No 555 California Street, um prédio de escritórios em São Francisco no qual Trump detém uma participação de 30%, seu aluguel aumentou no ano passado, de US$ 42 milhões para US$ 43 milhões, de acordo com documentos analisados. A mesma coisa aconteceu na 1290 Avenue of the Americas de Nova York, onde a arrecadação de Trump aumentou de cerca de US$ 55 milhões para US$ 58 milhões.

Os negócios de hotelaria, licenciamento e gestão, por outro lado, não se saíram tão bem. As receitas estimadas ficaram bem acima de US$ 100 milhões de 2017 a 2019, mas caíram para perto de US$ 50 milhões em 2020. Nenhuma parte do portfólio de Trump estava mais mal posicionada para suportar tal golpe, dado o peso da dívida de seus hotéis. Em seu hotel em Washington, DC, as receitas se estabilizaram em cerca de US$ 52 milhões de 2017 a 2019. Com a receita estagnada, o hotel não parecia estar produzindo lucro suficiente para cobrir os juros de seu empréstimo de US$ 170 milhões ao Deutsche Bank. As coisas só pioraram quando a Covid-19 chegou, e a receita caiu para menos de US$ 20 milhões. Não é de admirar que a Organização Trump tenha tentado vender o estabelecimento.

Mas o ex-presidente não teve muita sorte em se livrar daquele hotel ou de outros ativos no ano passado. Trump se desfez de US$ 32 milhões em imóveis em 2017, estimados em US$ 53 milhões em 2018, depois US$ 32 milhões em 2019. Em 2020, porém, ele embolsou apenas US$ 435 mil com a venda de apartamentos em Las Vegas. A falta de vendas foi um dos motivos pelos quais as receitas caíram cerca de 25%, para estimados US$ 450 milhões. Uma quantia menor, com certeza, mas ainda mais de mil vezes o salário anual que ele doou.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).