Opep+ busca consenso para política de produção após Emirados travarem acordo

Situação criou um impasse que pode resultar na chegada de menos petróleo ao mercado e impulsionar ainda mais os preços.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Maxim Shemetov/Reuters
Maxim Shemetov/Reuters

Tanque de petroleira saudita

Acessibilidade


A Opep+ retoma hoje (2) negociações sobre um possível aumento em sua produção de petróleo, após os Emirados Árabes Unidos terem bloqueado um acordo na véspera, criando um impasse que pode resultar na chegada de menos petróleo ao mercado e impulsionar ainda mais os preços, que já atingiram máximas de dois anos e meio.

Sem um acordo, a aliança Opep+ pode manter restrições mais firmes de produção em momento em que os preços do petróleo operam ao redor de US$ 75 por barril, com alta de mais de 40% neste ano, enquanto consumidores desejam um aumento na oferta da commodity para ajudar na recuperação global da pandemia de Covid-19.

LEIA TAMBÉM: IPOs impulsionam flippers: conheça estratégias e riscos da prática

Os Emirados Árabes travaram um acordo que contava com apoio de Arábia Saudita e Rússia e previa um aumento de produção de 2 milhões de barris por dia (bpd) até o final de 2021, além de estender os cortes remanescentes de oferta até o final de 2022 – e não até abril do ano que vem, como acertado anteriormente.

As negociações entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Rússia e outros aliados, que formam o grupo conhecido como Opep+, serão retomadas às 10h (horário de Brasília).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Se os Emirados Árabes Unidos bloquearem qualquer acordo, é provável os atuais cortes de produção, de cerca de 5,8 milhões de bpd, sejam mantidos em vigor. Há também uma pequena chance de que o acordo colapse e todos os países possam bombear o volume de petróleo que desejarem.

Fontes da Opep+ disseram que os Emirados Árabes não se opõem ao princípio de um aumento de oferta pelo grupo, mas quer que seu próprio nível de produção seja maior. O país defende que o patamar-base – nível a partir do qual os cortes são calculados – foi originalmente estabelecido muito baixo, algo que estaria disposto a tolerar apenas se o acordo terminasse em abril. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: